Tintim no País do Racismo? terça-feira, jul 17 2007 

É, as atualizações deste blog continuam raras. Mea culpa! Porém uma notícia recente arrancou-me do meu imobilismo. O velho álbum Tintim no Congo* (Tintim na África na antiga edição brasileira da Record) foi alvo de uma virulenta crítica pela CRE (Comission for Racial Equality – Comissão pela Igualdade Racial do Reino Unido), instituição pública inglesa que combate a discriminação racial. O comunicado diz que a HQ contém “imagens e textos de horrendo preconceito racial” e que ela não deveria ser vendida e sim “ser exposta em um museu, com um grande cartaz dizendo ‘velho lixo racista'”. A CRE afirma que o comunicado foi emitido a pedido de um homem que vira o álbum à venda em uma livraria e teria ficado profundamente ofendido com ele.

Eu adquiri posteriormente essa edição britânica e ela vem com uma página de aviso sobre o conteúdo e é envolta por uma faixa vermelha com os mesmos avisos. Não é falta de aviso!

Capa do álbum que gerou toda a polêmica

O comunicado gerou dois resultados: A cadeia de livrarias onde estava sendo vendido o álbum em questão, Borders, o transferiu da seção infantil onde estava para a de material adulto e as vendas do álbum dispararam por todo o Reino Unido, subindo cerca de 3.800%!

Os Studios Hergé, donos dos direitos do personagem, responderam usando a argumentação tradicional, de que o álbum é um produto de seu tempo, que Hergé admitia ser fruto de sua mentalidade da época, mas o mantinha quase inalterado para servir como “testemunho de sua época”. Pierre Assouline, biógrafo de Hergé, também defendeu o álbum em seu blog no jornal Le Monde, com uma argumentação similar.

A polêmica envolvendo a HQ é bastante antiga. Ela foi a segunda aventura de Tintim, publicada entre 5 de junho de 1930 e 11 de junho de 1931 no semanário belga Le Petit Vingtième, de ideologia católica fortemente conservadora. Curiosamente, o autor Hergé não queria mandar seu personagem para uma aventura africana e sim para os EUA (o que faria na aventura seguinte), mas foi obrigado a isso pelo diretor do semanário, o abade Wallez, que desejava convencer os jovens leitores da validade da colonização belga do país africano.

Nunca tendo saído da Bélgica, Hergé procurou documentação para retratar o Congo. Porém, tal como no álbum anterior e no seguinte, suas fontes não foram particularmente boas, pois o resultado foi uma visão demasiado estereotipada da África. Hergé mais tarde admitiria que sua visão dos africanos fora influenciada pela crença corrente na época de que os negros eram como crianças ingênuas, que precisavam da “sabedoria” dos brancos. Esse paternalismo está por todo o álbum que, ao considerar os africanos como ingênuos, revela-se ele próprio fruto de uma visão bastante ingênua, que era a de Hergé na época.

Vale dizer que o álbum pode ser paternalista, mas não é realmente racista. Em nenhum momento o álbum (ou o personagem) demonstra ódio contra os nativos! Ele os mostra em geral como figuras simpáticas, ainda que algo dependentes de Tintim. O que, na verdade, não é muito diferente dos personagens dos outros álbuns da série, uma vez que Tintim, herói perfeito por natureza, tendia sempre a ajudar aqueles que encontrava pela frente. Se isso é uma visão racista, então Tintim é racista com todo o mundo que encontra!

A forma com que os negros são retratados, com as feições exageradas das caricaturas da época e falando um francês capenga, também é similar à forma como eles eram retratados nos quadrinhos daquele tempo. Por exemplo, nas primeiras tiras de jornal do Mickey, escritas pelo próprio Walt Disney, o famoso camundongo vai parar em uma ilha distante habitada por canibais que eram retratados da mesmíssima maneira. A única diferença é que Hergé nunca teve o mau gosto de retratar negros como canibais…

Por que Walt Disney não é chamado de racista?

Também vale notar que Hergé desenhava todos os seus personagens, independentemente da origem, de forma caricatural.

Na sua versão original em preto e branco, a HQ era sim fortemente colonialista. Mas em 1946, quando Hergé redesenhou a aventura para a nova versão a cores (que é a mais conhecida hoje em dia), ele retirou boa parte das referências coloniais. Porém não “pasteurizou” o álbum, mantendo o paternalismo e a violência contra os animais presentes na versão original.

Na versão original, Tintim mostra a seus alunos nativos sua “pátria”, a Bélgica. Na versão colorida, a cena foi “suavizada” para uma simples lição de aritmética.

Por sinal, essa violência contra animais presente por todo o álbum é muito mais chocante que o paternalismo de Tintim. Ou pelo menos o foi para mim quando li a HQ pela primeira vez na infância. Tintim mata indiscriminadamente macacos, elefantes e, em uma cena inspirada em um livro de André Maurois, toda uma manada de antílopes! A associações de defesa dos animais têm muito mais do que se queixar deste álbum do que as de combate ao racismo!

Tintim pratica tiro ao alvo com um crocodilo em uma das cenas menos violentas do álbum

Ele chega ao requinte de explodir um rinoceronte com dinamite! Sério! Isso foi demais para a editora Egmont, que publica o personagem na Escandinávia e no Reino Unido e pediu para Hergé fazer uma versão menos violenta do encontro com o animal, que está presente nas edições desses países (todas as de língua portuguesa até hoje mantiveram a cena original).

Tomado por um inexplicável furor terrorista, Tintim explode um pobre rinoceronte inocente, que nunca soube o que lhe atingiu!

Toda a polêmica que gira em torno do álbum há anos fez com que sua publicação em francês fosse interrompida em finais dos anos 50. Durante mais de 10 anos o álbum juntou-se ao então lendário Tintim no País dos Sovietes no limbo dos quadrinhos. Ironicamente, ele voltou a ser publicado por iniciativa de uma revista… Do próprio Congo** (já independente, na altura chamado Zaire)! Esta fez diversos elogios à obra em suas páginas no início dos anos 70, estimulando a republicação do álbum por todo o mundo.

Artesanato congolês inspirado em Tintim

Artesanato congolês inspirado em Tintim

Todo? Não! Uma pequena aldeia inglesa continuou resistindo! Os ingleses ainda rejeitaram uma edição britânica do álbum por muitos anos, até finalmente cederem em 1991 (!), curiosamente publicando um fac-símile da edição original em P&B do álbum, ainda com todo seu ranço colonialista intacto.

Capa da primeira edição inglesa, em P&B

Somente em 2005 a editora inglesa Egmont cedeu ao apelo dos fãs e aceitou publicar a edição colorida, que recebeu uma cautelosa introdução de autoria dos tradutores explicando o contexto do álbum para evitar polêmicas racistas. Infelizmente não parece ter resultado. Ainda assim, a primeira tiragem de 30 mil exemplares foi vendida rapidamente, mais uma vez confirmando o duradouro sucesso do personagem com o público!

Ironicamente, o ataque do CRE parece ter apenas aumentado ainda mais o interesse deste pelo álbum. Nos poucos dias passados desde a emissão do comunicado, a instituição recebeu críticas por todos os lados, enquanto o álbum foi defendido como um clássico da literatura que exprime o pensamento de sua época, por mais equivocado que fosse. O que é um tipo de valorização que Tintim nunca tivera antes em um país de língua inglesa! Os detratores da série podem ter conseguido então o que os esforços de décadas de Hergé e seus sucessores nunca conseguiram: Popularizar Tintim nos países anglo-saxônicos!

Uma crítica muito mais eficiente à história foi feita recentemente por Joann Sfar. No quinto álbum de sua famosa série O Gato do Rabino (editada no Brasil pela Jorge Zahar, atualmente no segundo volume), Jerusalém da África, Sfar inclui uma aparição relâmpago do jornalista belga, mostrado como um chatíssimo branco com mania de dar lições de moral para todas as pessoas que vê pela frente e atirar em todos os animais que se mexem. A hilária sequência é muito mais devastadora para essa aventura de Tintim do que a censura de uma instituição pública que acaba se revelando muito mais paternalista que a obra que pretende criticar.

* Convém mencionar que a Companhia das Letras, atual editora da série no Brasil, já anunciou que sua nova edição do álbum utilizará realmente o título Tintim no Congo, tradução literal do título original, ao invés da mais tradicional tradução brasileira Tintim na África, utilizada na antiga edição da Record. A história também já foi conhecida pelo título Tim-Tim em Angola quando de sua primeira publicação em língua portuguesa, na revista lusa O Papagaio, nos anos 30, que mostrava “Tim-Tim” como um repórter lusitano, apropriadamente visitando a então colônia portuguesa de Angola.

** Para desespero dos intelectuais europeus, este álbum em particular é de longe o mais popular e apreciado do personagem na própria África. Os africanos demonstrando possuir muito mais senso de humor que seus “defensores”…

Palestra com David B. quinta-feira, jun 7 2007 

Novamente a falta de tempo me fez negligenciar o blog por um período demasiado longo. Tentarei compensar nos próximos dias.

Todo esse tempo de ausência fez com que eu não comentasse uma palestra do artista David B. (pseudônimo de Pierre-François Beauchard) que eu assisti mês passado no Instituto Franco-Português de Lisboa. O autor fora convidado para o Festival Internacional de BD de Beja e o Instituto, sabiamente, aproveitou sua curta passagem por Lisboa para convidá-lo a dar lá uma palestra.

Foto do autor. Infelizmente eu não tirei fotos da palestra.

Foto do autor. Infelizmente eu não tirei fotos da palestra.

David B. foi, junto com outros seis autores, um dos fundadores da célebre editora francesa L’Association em 1990. A editora revolucionou o mercado francês, introduzindo uma série de formatos e temáticas antes impensáveis na então altamente conservadora indústria de quadrinhos franco-belga.

Dono de um estilo enganadoramente simples, mas capaz de desenhar páginas de composição arrojada e possuidor de um excelente domínio das técnicas do chiaroscuro, o autor virou uma lenda entre os autores de quadrinhos “alternativos” ao criar a série L’Ascension du Haut Mal (que está para ser publicada no Brasil com o título de “Epiléptico”, pela editora Conrad), publicada pela L’Association entre 1996 e 2003, que aborda a relação entre o autor e seu irmão, vítima de epilepsia, de uma forma inovadora, quase onírica. A série foi bastante premiada e traduzida em diversas línguas.

Exemplo das belas composições de página de David B.
De lá para cá, David B. participou de muitos outros projetos, sozinho ou em parceria com outros autores, como Christophe Blain(de Isaac o Pirata) e Joann Sfar(O Gato do Rabino). Em 2005 deixou a editora que ajudara a fundar e passou a publicar primordialmente pela nova encarnação da editora Futuropolis, onde ainda se encontra.

Apesar de ter ficado famoso por seus trabalhos autobiográficos, David B. já fez uma infinidade de quadrinhos sobre outros temas, em particular falando de seus sonhos surreais, uma grande influência em toda sua obra.

Na palestra, falada em francês, David B. falou sobre todos esses assuntos e diversos outros. Explicou as razões que o levaram a deixar a L’Association (essencialmente ele rompeu com o cacique da editora, Jean-Christophe Menu), falou sobre sua vida e seus projetos. Não vou escrever aqui tudo o que ele falou, mas devo dizer que foi uma palestra assaz interessante.

Vale também adicionar que, caso único entre todas as vezes em que eu assisti palestras de autores de quadrinhos estrangeiros, fosse em festivais ou em eventos pontuais como este, a livraria do Instituto teve o cuidado de trazer e colocar à venda todos os trabalhos do autor disponíveis na França! Uma medida aparentemente óbvia, mas que eu nunca vira antes posta em prática! Certamente valeu a pena, já que quase todos os que assistiram a palestra (pouco mais de uma dúzia de pessoas) saíram de lá com um ou mais álbuns recém-comprados nas mãos (eu inclusive). Ouso dizer que esse tipo de boa visão comercial é uma das razões da prosperidade do mercado francês…

Entre o material que adquiri estão as duas mais recentes obras do autor, publicadas pela Futuropolis, que eu comentarei a seguir:

Capa de Le jardin armé et autres histoires

Capa de Le jardin armé et autres histoires

Le jardin armé et autres histoires é uma coleção de três histórias (duas delas serializadas na antiga revista Lapin da L’Association), que abordam temas ligados à religião e os conflitos criados pelo fanatismo, mas dentro de uma ambientação fantástica e sobrenatural.

Na primeira história, Le prophète voilé (“O profeta velado”), um homem tem o rosto coberto por uma misteriosa faixa de tecido e transforma-se no profeta velado, um poderoso conquistador e líder religioso que eventualmente desperta a atenção do famoso califa Harun al-Rashid, que por sua vez precisa descobrir uma forma de destruir este oponente sobrenatural. A segunda história, Le jardin armé (“O jardim armado”), mostra um ferreiro da Praga medieval que crê ter visões que o levarão até o Jardim do Éden, rapidamente ele atrai um exército de fanáticos a seu redor e começa a espalhar o caos e a violência pela região. Por fim, na última história, Le tambor amoureux (“O tambor apaixonado”), o líder hussita Jan Zizka, que aparecera na história anterior, morre e seus seguidores criam com sua pele um tambor, cujo toque permite a seu exército vencer todas as batalhas, mas o tambor cai nas mãos de uma jovem, por quem o espírito de Zizka se apaixona.

Página de Le prophète voilé
As três histórias são excepcionalmente criativas e cativantes, ajudadas pela bela arte de David B., que retrata com perfeição a magia de seus personagens. Mais que uma história em quadrinhos, este álbum é uma entrada para um mundo onde violência, magia e religião andam de braços dados. E uma das melhores HQs que eu li nos últimos meses.

Capa do primeiro volume de Par les chemins noirs
Par les chemins noirs (“Por caminhos obscuros”) é o título da mais recente série de David B., cujo primeiro álbum, entitulado Les Prologues (“Os prólogos”) foi recentemente editado na França. Como o título diz, é uma série de “prólogos” da saga que o autor pretende contar, ambientada na então cidade iugoslava de Fiume (hoje Rijeka, na Croácia) em 1920, quando a cidade, de maioria italiana, foi ocupada militarmente pelo escritor e aventureiro italiano Gabriele d’Annunzio, que tentou criar lá um “estado livre”. O álbum mostra a vida de uma série de personagens exóticos (entre eles o próprio poeta), cujos caminhos se cruzam em meio ao caos criado pela ocupação do “brancaleonesco” exército de D’Annunzio.

Página de Par les chemins noirs
Necessariamente menos exótico e surreal que as outras obras mencionadas acima, o álbum chama a atenção pela eficiente caracterização dos personagens e o bom humor com que retrata a inusitada situação em que se encontram. Apesar das limitações em trabalhar com uma temática mais realista, a arte de David B. continua bastante eficiente, exibindo ocasionalmente (mas sempre em contexto!) as composições surrealistas que fizeram a fama do autor. Um início promissor para uma série ambiciosa como esta.

Para aqueles que ainda não conhecem o autor e não têm o privilégio de saber francês ou poder assistir uma palestra com ele, eu recomendo adquirirem a edição brasileira de “Epiléptico”, que está prestes a ser lançada pela Conrad.

HQs e política na França – Conclusão domingo, maio 13 2007 

A eleição presidencial francesa já passou e, como se esperava, Nicolas Sarkozy é o novo presidente da República Francesa, assumindo o cargo na próxima quarta-feira (16 de maio). Hora das editoras lançarem seus últimos trabalhos sobre o assunto e medirem os resultados.

Edição espanhola da bem sucedida paródia de Sarkozy

Edição espanhola da bem sucedida paródia de Sarkozy

O grande sucesso da turma foi, sem dúvida, La face kärchée de Sarkozy, que eu mencionei em meu artigo anterior, que vendeu mais de 200 mil cópias em sua edição francesa, para não falar em uma tradução espanhola que parece ter tido um desempenho razoável. O que impulsionou os autores a escreverem uma continuação, Sarko 1er, que cobre o período eleitoral e será publicada dia 15 de maio, véspera da posse do novo presidente. Para poder terminar o álbum ainda antes da posse, os autores chegaram a fazer duas versões diferentes da capa, para cada um dos candidatos do segundo turno do escrutínio eleitoral gaulês.

Capa do novo álbum parodiando Sarkozy

Outras HQs publicadas para aproveitar o interesse do público na eleição tiveram um desempenho mais modesto. A dupla Tout sur Sarko/Ségo, que eu igualmente mencionei em meu artigo, vendeu “apenas” cerca de 20 mil exemplares cada um (ainda muito acima das vendas médias de um álbum na França, estimadas em 7 mil exemplares).

Capa prevista para caso Ségolène vencesse a eleição presidencial

Todo esse furor de criação de HQs oportunistas sobre a eleição presidencial despertou a curiosidade de muita gente, com algumas reportagens televisivas sobre o assunto chegando até às redes de televisão americanas, que raramente falam sobre quadrinhos! A revista francesa especializada em quadrinhos BoDoï também fez uma reportagem sobre o assunto, com direito a uma curta entrevista com o autor e jornalista Pierre Christin (Valerian, A Caçada, Falanges da Ordem Negra), um dos poucos argumentistas franceses com tradição em escrever sobre assuntos políticos.

Eu e Pierre Christin no último Festival de Angoulême. Não ia perder a chance de mostrar esta foto!

Christin afirmou que há pouca gente escrevendo HQs políticas “de verdade” e gente demais trabalhando nessas sátiras a Sarkozy e Ségolène. Ele fala com conhecimento de causa, já que alguns de seus trabalhos mais políticos (como A Caçada, obra de ficção ambientada nos bastidores do regime soviético) são bem vendidos até hoje, décadas depois de sua publicação.

Capa de A Caçada, arte de Enki Bilal

Uma HQ política nova seria o primeiro volume da série Élysée République, de autoria da dupla Rémy Le Gall, que, de acordo com a editora, é lobista da indústria de armamentos e antigo alto funcionário do executivo francês, e Frisco, que consta ser o pseudônimo de um artista já estabelecido dos quadrinhos franceses.

Capa do primeiro álbum da série Élysée République

Prevista como uma série de cinco álbuns (o primeiro foi publicado em fevereiro), Élysée République segue a trajetória de Constant Kérel, honesto deputado francês que quer ser o próximo presidente do país. No primeiro álbum ele descobre um segredo que pode ser fatal para o atual presidente, seu adversário político. Nos álbuns seguintes, o autor pretende acompanhar a caminhada do protagonista rumo à ambicionada presidência. Conseguirá ele manter sua integridade ou terá de abrir mão de seus princípios para poder chegar ao poder?

Página de Élysée République

Página de Élysée République

Já existem HQ examinando o tema, em particular o mangá Eagle, de Kaiji Kawaguchi, que mostra um candidato nipo-americano tantando chegar à presidência dos Estados Unidos, mas Élysée segue uma linha diferente, a de Largo Winch, mostrando seu protagonista não apenas como um hábil político, mas também como um corajoso homem de ação, tal e qual o herói Largo Winch, cujas tramas misturam ação e os bastidores das altas finanças e inspirou uma infinidade de outros heróis em moldes similares, dos quais Constant Kérel é o mais recente.

Capa da edição francesa do mangá Eagle, uma ficção pol�tica mais convencional

Para além das acrobacias de seu protagonista, a série tem sido muito elogiada por sua representação realista (ou ao menos convincente) das engrenagens do poder na França.

Voltando um pouco ao presidente eleito da França, Sarkozy fez recentemente uma incomum crítica ao chargista político Plantu, que o caricaturou caracterizado como o líder da extrema direita Jean-Marie Le Pen. Aparentemente Sarko não gostou da comparação! A resposta do chargista foi, obviamente, satirizar ainda mais o político.

A caricatura que tirou Sarkozy do sério

A eleição de Sarkozy também provocou um regresso inesperado. Frantico, autor de um polêmico blog em quadrinhos que foi posteriormente transformado em livro, surpreendera o mundo dos quadrinhos francês no ano passado, quando foi revelado que ele seria nada menos que o célebre autor Lewis Trondheim, maior nome do quadrinho “alternativo” francês, trabalhando sob pseudônimo (Trondheim nega, com pouca convicção). Agora “Frantico” está de volta, com um novo blog em que satiriza Sarkozy, retratando-o como “Nico Shark”, retratando-o como o ditatorial diretor de recursos humanos de uma empresa.

(Pessoalmente eu acho crueldade comparar um ser humano com um diretor de recursos humanos…)

Por fim, um acontecimento ainda mais estranho que serve como prova definitiva da ligação entre quadrinhos e política na França: Um autor de quadrinhos, Jean-Luc Coudray, é candidato nas eleições legislativas francesas, a serem realizadas em junho!

Cartaz de propaganda eleitoral de Coudray

Veterano autor de quadrinhos (está no sangue, seu irmão gêmeo Philippe Coudray também trabalha na área!), Jean-Luc Coudray já trabalhou com autores do porte de Trondheim ou Moebius e agora é candidato pelo Parti pour la Decroissance (“Partido do Decrescimento”), que defende o fim da busca obsessiva pelo crescimento econômico, argumentando que isso tem prejudicado a sociedade e o meio ambiente! Não deixa de ser verdade, muito embora eu pense que o fim desse crescimento não resolva necessariamente esses problemas – e crie muitos outros!

Antes de sua carreira política, Coudray trabalhou em diversas HQs de sátira política, como Béret et Casquette (“Boné e Boina”). É de se imaginar que logo ele terá material para muitas outras…

Capa de Béret et Casquette

José Aguiar no Centro de Cultura França-Alemanha de Niterói quarta-feira, maio 9 2007 

Andei muito ocupado esses últimos dias para poder atualizar o blog. Mea culpa, vou tentar compensar o melhor que puder. Primeiro divulgando um evento que está rolando na cidade de Niterói (RJ).

Bom amigo meu e artista de grande talento, o curitibano José Aguiar é um dos raros artistas brasileiros de quadrinhos trabalhando no exigente mercado europeu. Depois de ter feito diversos trabalhos para o mercado brasileiro (incluindo uma participação na “reformulação” do super-herói curitibano O Gralha), Aguiar, em parceria com o também brasileiro Wander Antunes, publicou pela editora suiça Paquet dois álbuns da série policial Ernie Adams.

Capas dos dois álbuns de Ernie Adams

A série não foi um grande sucesso (é complicado uma série de uma editora pequena se destacar em um mercado com mais de 3000 lançamentos de quadrinhos por ano…), mas foi o bastante para Aguiar, na altura morando na Alemanha, fazer uma pequena turnê de lançamento por França e Suiça.

Aguiar autografando seus trabalhos em uma loja de quadrinhos suiça

Durante a turnê, ele aproveitou para colocar no papel suas impressões do Velho Continente, prática bastante comum para os artistas europeus em viagem pelo mundo, que Aguiar “inverteu” fazendo ele próprio uma série de ilustrações da pitoresca Europa.

Aguiar junto à antiga residência de Rodolphe Töpffer, o “inventor” dos quadrinhos!

De volta ao Brasil, fez a exposição Reisetagebuch – Uma Viagem Ilustrada pela Alemanha, na qual exibiu suas ilustrações, e uma HQ autobiográfica publicada na revista Omelete, do website homônimo, do qual nós dois somos colaboradores de longa data.

Página da HQ de Aguiar no Omelete, mostrando as peripécias do casal Aguiar em Paris

(Incidentalmente, seu Aguiar, quase todos os parisienses sabem inglês, apenas se recusam a falar nessa língua! Mas eles falam em inglês se você tentar falar com eles em francês e não conseguir, por estranho que pareça. Esses franceses são loucos!)

O plano de Aguiar é fazer um livro misturando suas ilustrações, quadrinhos e textos falando sobre suas experiências na Europa, um tipo de trabalho muito difundido no Velho Continente, mas praticamente inexistente no Brasil, ao menos na vertente de quadrinhos.

A exposição Viajando em Quadrinhos pela França e Alemanha, que reune esses trabalhos com páginas produzidas para Ernie Adams, abre hoje no Centro de Cultura França Alemanha, em Niterói, com a presença do autor. O Centro de Cultura fica na Estrada Francisco da Cruz Nunes, 6266, Oásis Shopping Center, Piratininga, Niterói-RJ, e abre de segunda a sexta-feira, das 13h às 21 horas e sábados das 8h às 12 horas. Vão lá e digam que Hunter os mandou, que vão poder entrar sem pagar! Bem, na verdade vão poder entrar de graça até sem falar nada, porque a entrada é franca…

Dinâmica página de Ernie Adams, t�pica das que estarão na exposição

A exposição fica até o fim do mês. Se estiverem nas proximidades, visitem-na!

Página de teste de Aguiar com Dylan Dog. Não tem nada a ver com a exposição, mas eu não podia deixar de postar isso!

Enquanto ninguém se anima a publicar esse projeto no Brasil (e se você é um editor de quadrinhos, está lendo isso e ainda não entrou em contato com o Aguiar para publicá-lo, qual é o seu problema afinal?), Aguiar continua seu trabalho para a Paquet, desta vez colaborando na coletânea Flying Doctors, um álbum coletivo em homenagem à ONG AMREF, que presta ajuda médica a comunidades africanas isoladas utilizando aviões. O álbum será publicado na coleção Cockpit da editora, dedicada a histórias de aviação, e será escrito por Régis Hautière, com arte de 10 artistas de diversas nacionalidades, entre eles Aguiar. O título do álbum será Un jour de mai (“Um dia de maio”).

Página de Un jour de mai de autoria de Aguiar, que mostra sua habilidade como desenhista “técnico”

É uma pena que alguém como José Aguiar precise ir até a Europa para conseguir publicar seus trabalhos. Resta esperar que um dia o mercado brasileiro esteja sólido o suficiente para que talentos como ele possam publicar no próprio país!

Grandes revistas em quadrinhos – 2000 AD segunda-feira, abr 30 2007 

Pode parecer estranho depois de minha defesa apaixonada das livrarias como o futuro das HQs, mas eu sou grande apreciador das revistas em quadrinhos de banca. Em particular as antologias em estilo europeu, de formato grande e com várias séries, que sabem aproveitar as poucas páginas que têm (em geral não mais de meia dúzia por edição!) para contar uma história da forma mais direta e enxuta possível.

A Inglaterra tem uma grande tradição em revistas desse tipo, contando até com aquela que é (até onde meu limitado conhecimento chega) a mais antiga revista em quadrinhos do mundo: Dandy, publicada semanalmente desde 4 de Dezembro de 1937! Em comparação, a 2000 AD é muito mais recente (publicada pela primeira vez em 26 de Fevereiro de 1977, ela comemorou seu 30º aniversário apenas há poucos meses), mas sua importância mais do que excede os seus comparativamente poucos anos de existência.

2000 AD foi a herdeira direta da revista Action, uma revista de vida curta criada em 1976. Os criadores da Action foram a célebre dupla Pat Mills e John Wagner, que antes tinham criado o violento gibi de guerra Battle Picture Weekly. O sucesso deste levou Mills e Wagner a criarem uma publicação ainda mais violenta e amoral, a Action. Porém eles haviam passado da conta, a conservadora sociedade inglesa da época (não que hoje esteja muito melhor…) não podia tolerar uma revista assim e a Action foi corrida das bancas poucos meses depois. Ela acabou voltando, em uma versão mais “pasteurizada”, poucas semanas depois, mas essa nova encarnação não agradou os leitores e foi cancelada no ano seguinte.

Nesse meio tempo, Mills e Wagner criaram um segundo semanário, no estilo da Action (tendo aprendido com esta quais os limites que não deveriam ser excedidos…) e usando muitos dos mesmos criadores, mas com uma temática de Ficção Científica e ressuscitando um dos grandes clássicos da FC quadrinística britânica, Dan Dare, antiga estrela da mais famosa revista em quadrinhos inglesa de todos os tempos, a Eagle (1950-1970). Esta encarnação do personagem, porém, não teve grande sucesso, o que colocou as outras HQs da revista em maior evidência.

Capa da primeira edição da 2000 AD

Capa da primeira edição da 2000 AD

Fazendo companhia ao tradicional Dan Dare, uma série de HQs que definitivamente nunca teriam sido publicadas na tradicional Eagle: Invasion (violenta HQ de guerra que mostrava uma Inglaterra ocupada por uma potência estrangeira, o grande diferencial era seu protagonista, o brutal e vingativo Bill Savage), M.A.C.H.1 (mais convencional das séries novas – e maior sucesso da revista até a ascensão do Juiz Dredd – era basicamente uma cópia barata do Homem de seis milhões de dólares), Harlem Heroes (série esportiva futurista descaradamente inspirada nos Harlem Globetrotters) e a alucinada Flesh (mais perturbada das séries originais, partia do conceito de que no futuro a superpopulação acabara com a criação de animais de corte e a única alternativa para vender carne a uma faminta sociedade futurista era voltando no tempo para caçar dinossauros, o que teria sido a verdadeira causa da extinção dos bicharocos!).

Carne fresca!

A insana série Flesh, arte de Kevin O’Neil

Porém foi no segundo número da 2000 AD que surgiu o personagem que se tornaria o maior sucesso da revista e a imagem que vem à mente da maioria das pessoas quando se fala na revista, o Juiz Dredd!

Vendo esse post em restrospecto anos depois, eu tinha razão. O personagem nunca tinha sido publicado direito no Brasil...

O Juiz Dredd em todo seu explendor

Homem da lei de uma sociedade fascista futurista, Dredd é juiz, júri e executor, tendo autoridade para decidir (e executar) as penalidades judiciárias sobre todo aquele que quebrar uma das muitas leis que governam a cidade. Conceito genial, que permite contar um sem número de histórias, desde simples thrillers de ação, passando por sátiras político-sociais, até sofisticadas críticas ao totalitarismo, o personagem criado pelo escritor John Wagner e o desenhista espanhol Carlos Ezquerra (que ainda hoje trabalham na série!) logo se tornou o personagem mais popular da revista, posição que mantém até hoje. Seu sucesso determinou ainda a criação de uma revista mensal dedicada, a Judge Dredd Megazine, publicada até hoje, e diversas outras publicações de vida mais curta. Inúmeras outras séries ambientadas no universo de Dredd surgem regularmente na 2000 AD e na Judge Dredd Megazine, algumas fazendo bastante sucesso!

The Pit, grande história. Um dia consigo que a publiquem no Brasil!

Explosiva sequência de Dredd assinada por seu co-criador Carlos Ezquerra

Para além de Wagner e Ezquerra, diversos criadores se destacaram na criação das aventuras de Dredd, em particular o desenhista Brian Bolland, que deve boa parte de seu sucesso ao magnífico trabalho que fez no personagem. Hoje ele raramente faz trabalhos para a revista, fora ocasionais capas.

A deposição de Robert L. Booth

Magnífica capa de Brian Bolland

Apesar de diversas tentativas de publicação, Dredd nunca conseguiu se tornar popular no Brasil. Como é que uma alegoria para justiça a todo custo não consegue se estabelecer em um país em que boa parte das pessoas gostaria de ver a lei reprimindo o crime com a brutalidade de um Juiz Dredd é algo incompreensível, mas eu atribuo isso à falta de visão das editoras que o publicaram. Praticamente apenas as histórias curtas de Dredd saíram no Brasil, e quase todas elas têm um tom de paródia mais acentuado. Mas o personagem se tornou popular em seu país de origem devido às megasagas de centenas de páginas que se desenrolavam por meses na 2000 AD. Nessas tramas mais complexas é possível constatar que o personagem é muito mais do que a sátira uni-dimensional que pode parecer àqueles que conhecem apenas as histórias curtas! Juiz Dredd tem continuidade – e uma bastante rica até! Eu acho que a próxima editora a tentar publicá-lo no Brasil (vai acontecer algum dia, é inevitável…) deveria tentar traduzir alguma das sagas mais longas, ao invés de ficar só no material curto. É mais arriscado, eu sei, mas é a melhor chance do personagem emplacar!

Seis anos depois deste post, eu ajudaria a publicar essa saga no Brasil - com sucesso!

Capa do TPB de Total War, uma das melhores megasagas recentes de Juiz Dredd

Mas 2000 AD não é só Dredd! Diversos outros personagens e séries marcaram as páginas da revista ao longo dos anos. Eis alguns destaques:

Rogue Trooper é uma série de guerra futurista ambientada em Nu Earth (corruptela de New Earth – “Nova Terra”) um planeta destruído pelo interminável conflito entre duas facções, os Nortistas e os Sulistas. Fruto de uma experiência genética sulista, Rogue é um G.I. (Genetic Infantryman – “Infante Genético”), um entre vários humanóides artificiais criados em laboratório para sobreviver ao ambiente hostil do planeta arrasado. Porém a traição de um general corrupto levou à morte de seus companheiros. Foragido e considerado traidor por seus compatriotas, Rogue carrega a consciência de seus falecidos amigos em biochips especiais inseridos em sua arma, mochila e capacete, percorrendo o terreno inóspito de Nu Earth em sua infindável busca pelo general traidor, enquanto é caçado por ambos os lados!

Eu traduzi a série como Renegado sete anos depois...

Rogue Trooper

Criação do veterano escritor Gerry Finley-Day e do desenhista Dave Gibbons (que ganhou fama por seu trabalho na série), Rogue Trooper era uma eficiente crítica à guerra e ao belicismo. Sua caça ao “general traidor” cativou os leitores durante anos a fio, com Finley-Day e seus diversos artistas desfilando uma série de reviravoltas a cada passo do caminho, chegando até a ser mais popular do que Dredd!

Primeira e mais clássica capa de Gibbons para Rogue Trooper

Primeira e mais clássica capa de Gibbons para Rogue Trooper

Porém, logo após Rogue encontrar o general traidor, Finley-Day, um dos últimos escritores “profissionais” dos quadrinhos (ou seja, um escritor que trabalhava em HQs não por ser fã da mídia em si, mas por não ter encontrado outro trabalho) se aposentou, deixando sua criação órfã. Com sua trama principal resolvida, a série ficou sem direção e acabou deixando de publicada durante um bom tempo, até que o jovem escritor Gordon Rennie (uma das novas estrelas da 2000 AD) “ressuscitou”o personagem, criando novas aventuras ambientadas durante a caçada original ao general traidor.

Não foi a primeira vez que a 2000 AD voltou a publicar histórias de um personagem considerado finalizado usando o bastante óbvio expediente de ambientá-las no passado. A primeira vez fora com outra criação de Wagner e Ezquerra, Strontium Dog.

Ainda não consegui que esse personagem saísse no Brasil...

O caçador de recompensas Johnny Alpha, astro de Strontium Dog

Criado para a revista Starlord, uma das várias revistas de FC de vida curta criadas após a 2000 AD na tentativa de atingir o mesmo público, Strontium Dog se passava em um futuro após um conflito nuclear que contaminou a Terra com uma infinidade de elementos radioativos, entre eles o Estrôncio (Strontium), gerando uma série de mutações nos seres humanos. Esses mutantes foram segregados pelo resto da humanidade, tendo que sobreviver como criminosos ou caçadores de recompensas. Johnny Alpha é um deles, um mutante com olhos que emitem “ondas alfa” que o permitem ver através de paredes e manipular objetos, entre outros superpoderes. Um homem honrado em um ambiente corrupto, Johnny e seu parceiro Wulf Sternhammer são apenas dois entre os caçadores de recompensas conhecidos como os “Strontium Dogs”.

Johnny Alpha desenhado por Ezquerra

Johnny Alpha desenhado por Ezquerra

A popularidade do personagem permitiu que ele sobrevivesse ao cancelamento da Starlord e passasse para o elenco da 2000 AD, onde eventualmente se tornou o segundo personagem mais popular depois do Juiz Dredd. John Wagner e Alan Grant se alternam nos roteiros até hoje, com o incansável Carlos Ezquerra como principal artista (quando não está desenhando Dredd!). Curiosamente, tal e qual Rogue Trooper, a série “acabou” uns anos atrás e as aventuras atuais são “flashbacks” do período de caçador de recompensas de Johnny Alpha! Outro exemplo de como o final de uma série não significa necessariamente o fim de novas histórias (as HQs americanas fariam bem em aprender essa lição!). Como Juiz Dredd, Strontium Dog também gerou diversas outras séries estreladas por personagens do mesmo universo.

Durham Red, coadjuvante de Strontium Dog e estrela de uma série spinoff

Durham Red, coadjuvante de Strontium Dog e estrela de uma série spinoff

Outra HQ que fez a transição da Starlord para a 2000 AD foi Ro-Busters, série humorística criada por Pat Mills e estrelada por dois robôs de segunda mão, Ro-Jaws e Hammerstein (os nomes são “homenagem” à dupla de compositores britânicos Rogers e Hammerstein), que são salvos do desmanche para fazerem parte de uma equipe especializada em resgate, os Ro-Busters. Essa série teve sucesso mediano, mas quando Mills trocou o foco das aventuras para o tempo em que a dupla era parte de um grupo especial de soldados-robôs, os A.B.C. Warriors, a série rapidamente se tornou um dos hits da revista.

No filme do Dredd que existia quando eu escrevi isto, bem entendido!

Hammerstein, o protagonista de A.B.C. Warriors. Sim, ele aparece no filme do Juiz Dredd!

Parte do sucesso se deveu sem dúvida à arte da série, assinada por talentos do calibre de Kevin O’Neil, Brendan McCarthy, Simon Bisley e outros talentos, que complementaram habilmente os roteiros afiados de Mills. Atualmente a sérieé desenhada por Clint Langley, que faz uma espetacular combinação de montagens fotográficas com desenhos que dá à arte um realismo inesperado nesse tipo de trabalho, sem sacrificar o dinamismo essencial para uma boa HQ.

Hammerstein por Clint Langley. Sim, arte interior também é assim!

Hammerstein por Clint Langley. Sim, arte interior também é assim!

Outra criação de Mills é o celta Sláine. Uma das raras séries de fantasia da 2000 AD, Slaine é estrelada pelo guerreiro celta Sláine Mac Roth, uma espécie de Conan ambientado na mitologia celta. Desenhado originalmente por Angie Kincaid (ex-esposa de Mills), o celta foi depois desenhado por uma constelação de grandes artista, entre eles Glenn Fabry, Bryan Talbot e especialmente Simon Bisley, que desenhou sua história mais popular, The Horned God (já publicada no Brasil).

Slaine desenhado por Bisley

Slaine desenhado por Bisley

A série continua até hoje, apesar de ter perdido popularidade durante os anos 90, criticada pelo “excesso de misticismo barato”. O artista atual da série é novamente Clint Langley.

De lá para cá, o desenhista de Sláine passou a ser o igualmente talentoso Simon Davis

Capa de Langley para Sláine

Por fim, temos minha favorita pessoal entre as séries mais recentes, Nikolai Dante. Ambientada em uma Rússia czarista futurista, a série é protagonizada por um malandro charmoso e descolado, que se envolve nas intrigas políticas da corte czarista ao tomar posse inadvertidamente de uma arma simbiótica alienígena, que lhe dá, entre outras coisas, o poder de produzir lâminas cyberorgânicas no corpo. Mas o que ele quer mesmo é diversão, bebida e mulheres!

Nikolai Dante na bela arte de Simon Fraser

Nikolai Dante na bela arte de Simon Fraser

Criado pelo escritor Robbie Morrison e o talentoso artista Simon Fraser, Dante obteve um sucesso inesperado devido à sua combinação de humor escrachado, intriga sofisticada e drama pessoal com doses de erotismo e sensualidade raramente vistas na revista.

Espetacular capa de Fraser para um dos TPBs de Nikolai Dante

Espetacular capa de Fraser para um dos TPBs de Nikolai Dante

Certamente a mais “europeia” (continental, no caso) das HQs da 2000 AD, a série ainda é desenhada por Fraser até hoje, alternando com o mais tradicional John Burns, um dos últimos representantes da arte tradicional dos quadrinhos britânicos.

Exemplo da arte mais tradicional de John Burns em Nikolai Dante

Exemplo da arte mais tradicional de John Burns em Nikolai Dante

Apesar de um rol de personagens incrível como este (e eu citei apenas uns poucos exemplos, há muitos mais de onde estes vieram!), a 2000 AD teve a mesma carreira atribulada de outras revistas britânicas. Particularmente após o espetacular fracasso do filme do Juiz Dredd, que criou uma imagem errônea do personagem na mente do público, a 2000 AD atravessou um sério período de crise nos anos 90. Boa parte dos criadores originais, incluindo a insubstituível dupla Pat Mills e John Wagner, se afastara da revista e seus substitutos (Garth Ennis, Mark Millar e outros autores de segunda categoria que eventualmente fariam sucesso nos EUA após fracassarem no mercado britânico) não se mostraram à altura. Porém a aquisição da revista pela empresa de videogames Rebellion deu novo gás à publicação, promovendo o regresso dos autores clássicos e o surgimento de uma nova geração de criadores, que substituiu aqueles que fracassaram nos anos 90. A recente publicação de numerosas encadernações republicando séries de sucesso da revista também ajudou, levando o material da 2000 AD até o público das livrarias e lojas de quadrinhos.

Apesar de seu ano de batismo já ter passado há um bom tempo, a 2000 AD continua em frente. Ela é publicada toda semana na Inglaterra (exceto por três semanas de Dezembro, quando uma edição anual gigante a substitui nas bancas), tem 32 páginas em formato magazine e papel razoável (o LWC mais simples que se pode imaginar, usado até na capa!), com impressão apenas decente o bastante para reproduzir nesse papel as séries pintadas mais complexa. A revista é colorida, embora haja quase sempre alguma série P&B sendo serializada nela. Cada edição contém em média 5 histórias de 5-6 páginas cada. Custa razoáveis £ 1,75. Há também duas revistas derivadas, a Judge Dredd Megazine (mensal, com mais páginas e histórias mais longas, ambientadas geralmente no universo do Juiz Dredd) e a 2000 AD Extreme (bimestral, republica histórias antigas que ainda não saíram em encadernações, geralmente material mais obscuro).

A revista chegou a ser publicada no Brasil pela Ebal, em edições iguais às inglesas! Alguns dos seus personagens, como Juiz Dredd, Slaine e Zênite, receberam publicações ocasionais no Brasil, mas nunca conseguiram realmente se firmar. Em Portugal, ela é quase completamente desconhecida, embora a edição inglesa possa ser encontrada em alguns pontos de venda. Considerando a quantidade de HQs norte-americanas publicadas em português, é incompreensível que a maior parte do material da 2000 AD nunca tenha sido traduzido até hoje! Vale notar que foi de lá que saíram muitos dos autores que eventualmente fizeram sucesso nos comics americanos, como Alan Moore, Dave Gibbons, Grant Morrison, Kevin O’Neil, Brian Bolland e muitos, muitos outros!

Grandes personagens dos quadrinhos – Asterix quarta-feira, abr 25 2007 

Hoje é aniversário do desenhista Albert Uderzo, que completa 80 anos de vida (e mais de 50 de quadrinhos!). Nada mais justo então do que falar do personagem que ele criou em parceria com o roteirista René Goscinny (já falecido) e se tornou um dos personagens de quadrinhos mais famosos do mundo: Asterix, o Gaulês!

Asterix, o Gaulês

Asterix, o Gaulês

Segundo os autores, Asterix teria sido criado pela dupla em uma tarde de verão de 1959 no quitinete onde morava Uderzo, no subúrbio parisiense de Bobigny. Eles precisavam criar uma série humorística para o semanário Pilote, que lançariam dentro de poucos meses. Primeiro eles pensaram em fazer uma adaptação em quadrinhos do Le Roman de Renart, célebre série de contos satíricos da França medieval, mas depois descobriram que já existia um projeto similar em produção. Ainda à procura de uma sátira histórica, eles acabaram decidindo se fixar no período gaulês.

A inspiração foi rápida. Em poucos minutos, Goscinny se inspirou no nome do chefe gaulês Vercingétorix para decidir batizar seus personagens gauleses com nomes terminados em “ix”. Seu protagonista seria um baixinho chamado Asterix (derivado de “asterisco”), por ser tão imperceptível quanto um sinal de pontuação. A temática da aldeia gaulesa irredutível resistindo ao invasor romano inspirou-se certamente tanto na resistência francesa durante a Segunda Guerra Mundial (ainda fresca na memória dos franceses naquela altura) quanto no Gaullismo então corrente (Charles de Gaulle acabara de assumir a presidência da França), algo que certamente contribuiu para a rápida popularidade do personagem. Também naquele momento surgiu a ideia da poção mágica criada por um druida como explicação para essa resistência. Tudo antes mesmo do personagem ser desenhado! Eventualmente outros personagens marcantes, entre eles seu inseparável companheiro Obelix, se juntariam à série.

Asterix e seu inseparável companheiro Obelix

Asterix e seu inseparável companheiro Obelix

Asterix surge então no primeiro número da Pilote, publicado em 29 de Outubro de 1959. Rapidamente torna-se o personagem mais popular da revista e, com o decorrer dos anos, do quadrinho franco-belga, destronando o até então imbatível Tintim. Simbolicamente também alterando o balanço de poder dentro do quadrinho franco-belga, que até o surgimento da Pilote tinha sido dominado pelas HQs de origem belga. O pequeno gaulês triunfara não apenas contra os romanos como contra os belgas!

Asterix logo se tornou um dos símbolos do orgulho nacional francês. Quando a França lançou seu primeiro satélite ao espaço, em 1965, este foi batizado de “Asterix”! Porém isso não o impediu de ganhar popularidade no exterior. Começando por Portugal (em 1961), Asterix passou a ser publicado em uma infinidade de países não-francófonos, obtendo particular sucesso na Alemanha (onde seus álbuns vendem quase tanto quanto na França!) e até na Inglaterra, país onde as HQs franco-belgas não costumam ter muita penetração. A popularidade do personagem chegou a tal ponto que cada álbum novo passou a ter uma tiragem inicial superior a um milhão de exemplares (a tiragem inicial do mais recente foi de 7 milhões de exemplares, dos quais 3 em língua francesa!). O número de álbuns vendidos até hoje é superior a 300 milhões, o que faz dele um dos personagens de quadrinhos mais populares de todos os tempos (se não o mais!).

Para toda essa popularidade contribuiu bastante a genialidade de seus criadores, tanto a incomparável visão satírica de Goscinny quanto a fenomenal arte de Uderzo, que se complementam com uma perfeição raras vezes vista na história dos quadrinhos. Aliás, pode-se argumentar até que a dupla é a melhor equipe criativa da história da HQ mundial, já que a maior parte dos outros quadrinhos de qualidade comparável costumam ser o trabalho de criadores individuais.

Goscinny e Uderzo refletem a popularidade de seu personagem

Goscinny e Uderzo refletem a popularidade de seu personagem

Infelizmente Goscinny faleceu prematuramente em 1977, quando a série estava no auge. Após o choque inicial, Uderzo decidiu terminar o álbum que Goscinny deixara incompleto (Asterix entre os belgas) e continuar a série por si só. Sua justificativa seria de que nenhum outro escritor poderia substituir seu antigo companheiro. O que não deixa de ser verdade, já que o trabalho de Uderzo como criador único dos álbuns mais recentes tem sido bastante irregular, com alguns álbuns de boa qualidade (como A odisséia de Asterix) e outros bastante fracos. A arte, porém, mantém-se de alto nível. Uderzo já anunciou que, tal qual Hergé, não deseja que a série seja continuada após sua morte, o que faz com que cada novo álbum da série que produz seja potencialmente o derradeiro.

Página do mais recente álbum de Asterix

Apesar disso, Asterix ainda é uma HQ de qualidade e popularidade inquestionáveis, que merece figurar em qualquer estudo sério dos quadrinhos. E parabéns a Uderzo por seu aniversário, que muitos outros o sigam!

Asterix e os irredutíveis gauleses

Asterix e os irredutíveis gauleses

Resenha: The Hedge Knight HC segunda-feira, abr 23 2007 

Apesar do nome do blog, eu não me proponho somente a falar dos quadrinhos europeus (embora sejam o assunto principal). Também pretendo falar de HQs de outras procedências, já que eu leio quadrinhos de tudo quanto é lugar, sem preconceitos.

The Hedge Knight é uma adaptação de um conto do escritor norte-americano George R. R. Martin (também criador da série de livros Wild Cards, que inclusive já teve uma versão em quadrinhos publicada no Brasil pela Editora Globo). Ele foi publicado originalmente na antologia Legends, editada por Robert Silverberg. A ideia dessa antologia era publicar contos de autores de séries de fantasia consagradas passados nos mesmos universos dessas séries. Assim seria possível, ao menos em teoria, divulgar os trabalhos de todos autores aos leitores de cada um deles. Com nomes de peso do gênero como Stephen King, Robert Jordan e até, no segundo Legends, Neil Gaiman envolvidos, o sucesso comercial também parecia inevitável. Porém as antologias não tiveram tanto sucesso assim e acabaram se tornando mais uma curiosidade para os leitores desses autores procurarem do que uma forma de divulgação eficiente. Um desses contos era The Hedge Knight, de autoria de Martin e passado no mesmo universo de sua consagrada série A Song of Ice and Fire, embora ambientado muitos anos antes dos eventos desta.

Enquanto isso, os irmãos Ernst, Lester, Pascal e David Dabel fundaram um pequeno estúdio de produção de quadrinhos. Os assim chamados Dabel Brothers logo começaram a publicar suas HQs, primeiro em parceria com a Image Comics, depois com a pequena e ambiciosa editora Alias, do polêmico artista Mike S. Miller. Tentando descobrir uma forma de sobreviver no impiedoso mercado norte-americano, eles decidiram tentar uma ambiciosa adaptação para quadrinhos da série de livros A Song of Ice and Fire.

Porém Martin prudentemente achou que um estúdio de pequeno porte como o dos Dabel não teria capacidade de executar a titânica tarefa de adaptar a série (que conta atualmente com três livros de mais de 800 páginas cada – muito maior que O Senhor dos Anéis!) para quadrinhos e sugeriu que ao invés disso eles adaptassem Hedge Knight, uma história muito mais curta.

Justiça seja feita, os irmãos lançaram-se nessa adaptação sem dar qualquer sinal de ressetimento por terem sido forçados a trabalhar em um “prêmio de consolação”. Rapidamente montaram uma talentosa equipe, com Ben Avery no argumento, o próprio Mike Miller na arte e um grande número de autores de fantasia de peso nas capas (Boris Vallejo, os irmãos Hildebrant, Mike Kaluta, etc.), e publicaram uma mini-série em 6 edições que foi o maior sucesso da pequena editora. A encadernação que se seguiu obteve um sucesso ainda maior nas livrarias americanas, sem dúvida impulsionada pelo nome de Martin.

O sucesso do lançamento abriu as portas para os irmãos publicarem outras adaptações de autores de fantasia (em particular daqueles presentes em Legends) e, eventualmente, fazerem uma parceria com a poderosa Marvel Comics, que é a atual editora dos Dabel e a responsável pelo livro que eu vou (finalmente!) resenhar.

Capa da edição em capa dura de The Hedge Knight

O livro conta a história de Dunk, escudeiro de limitada inteligência mas boa índole de um envelhecido cavaleiro andante. A repentina morte de seu mestre faz com que ele tome uma decisão ousada: Entrar no torneio de cavalaria para onde seu amo se dirigia e, dessa forma, poder tornar-se também um cavaleiro. Porém um encontro casual com o garoto “Egg” (“Ovo”), que ele adota como seu próprio escudeiro, muda sua vida e acaba por colocá-lo em uma situação em que toda sua vontade de ser cavaleiro é posta em jogo.

Capa alternativa da mesma edição, para quem não gosta que suas HQs parecam HQs...

A história original é, como seria de se esperar do trabalho de um autor literário de talento, absolutamente espetacular, com uma impressionante quantidade de reviravoltas inesperadas, personagens bem construídos e, algo absolutamente inesperado para um trabalho que não se propõe como histórico, uma das melhores representações de um torneio medieval já feitas na ficção! Na minha humilde opinião, superior até ao clássico Ivanhoé de Walter Scott! A adaptação feita por Avery é bastante fiel ao texto original e, algo raro em adaptações, não perde nada em relação ao texto original.

Aliás, pode-se argumentar que até oferece mais do que este, pois é complementada pela bela arte de Miller, que se revela surpreendentemente hábil na complexa tarefa de desenhar armaduras, cavalos, ambientação medieval e o imenso elenco de personagens da história (há pelo menos duas dúzias de personagens “nomeados”!) sem comprometer a qualidade do seu trabalho nem ceder à tentação de fazer uma “fotonovela” das partes mais importantes da história original, um hábito tristemente comum em adaptações para quadrinhos de obras literárias. Sua narrativa e cenas de ação são tão dinâmicas (ainda que ocasionalmente confusas) quanto qualquer HQ de super-herói, mas estão sempre a serviço da história. Apesar de suas posições ideológicas polêmicas e ética pessoal duvidosa, Miller se revela neste trabalho um artista de primeira categoria, a ponto de ter sido chamado para desenhar a adapatação da segunda história dos personagens (que está prestes a ser publicada nos EUA) mesmo após sua ruptura com os Dabel, por exigência do próprio Martin, que ficou bastante impressionado com a arte da HQ. Justificadamente!

Espetacular capa de Mike Miller para a mini-série

Vale mencionar as capas das edições individuais da mini-série. Cada uma delas teve duas capas (política questionável porém comum nos EUA), geralmente uma desenhada por Miller e a outra por algum grande artista de fantasia. Valem mencionar que mesmo aí Miller mostrou talento, produzindo diversas capas que não ficam atrás das que os outros capistas fizeram! Todas elas estão no HC da Marvel, à exceção de uma, assinada pelos irmãos Hildebrant, reproduzida abaixo.

Capa dos irmãos Hildebrant, ausente da edição da Marvel

A edição da Marvel contém também uma curta amostra (meia dúzia de páginas) da próxima mini-série da equipe, que adapta a história de Martin originalmente publicada no segundo Legends. A julgar pela amostra, a segunda adaptação manterá o alto nível de qualidade da primeira!

Por fim, a edição em si tem capa dura e sobrecapa, papel couchê grosso de alta qualidade e impressão excepcional, com valores de produção comparáveis aos melhores álbuns europeus! Algo que seria praticamente impossível de se ver em uma HQ norte-americana de alguns anos atrás, mas parece estar cada dia mais comum. E, ao menos neste caso, o conteúdo está à altura da edição!

Em suma, uma HQ de qualidade excepcional que mais do que merece uma edição em português. Como é publicada pela Marvel, a editora lógica para uma edição em português (seja em Portugal ou no Brasil) seria a Panini, que faria bem em publicar essa história (e outras das adaptaçãoes de fantasia dos Dabel Brothers) ao invés de alguma mini-série descartável de um super-herói qualquer.

Saindo um pouco dos quadrinhos, também recomendo também a leitura dos livros de George R. R. Martin, em particular da série A Song of Ice and Fire, que transcendem a literatura de fantasia normal (geralmente um amealhado de chavões reciclados da obra de J. R. R. Tolkien), sendo inspirados não em O Senhor dos Anéis mas na Guerra das Duas Rosas, e repletos de tramas bizantinas, personagens ambíguos, diálogos memoráveis e ocasionais sequências de ação desenfreada. Leitura altamente recomendada!

Resenha: Wayne Shelton vols. 1 e 2 quinta-feira, abr 19 2007 

Vamos agora variar um pouco e partir para as resenhas. Comecemos por uma ótima série de espionagem da Dargaud, Wayne Shelton.

Capa de Wayne Shelton 1

Sou grande apreciador do trabalho do roteirista belga Jean Van Hamme, criador de séries como Thorgal, XIII e Largo Winch e escritor de língua francesa mais vendido da atualidade. Nos intervalos entre a publicação das suas séries mais famosas, Van Hamme tem o hábito de escrever trabalhos “menores”, ainda que não necessariamente de menos qualidade, Wayne Shelton é um deles.

Thriller de espionagem no estilo habitual do autor, a série se diferencia por seu protagonista. Depois de criar Largo Winch, um aventureiro milionário jovem, e XIII, um aventureiro adulto no auge da forma, Van Hamme decidiu criar um protagonista que, tal como o próprio autor, já viveu seus melhores anos e começa a sentir o peso da idade, o cinquentão Wayne Shelton. O protagonista, antigo soldado das forças especiais americanas no Vietnã, é um mercenário e contrabandista contratado para cumprir uma missão espinhosa: Libertar da prisão um caminhoneiro francês detido em uma pequena ex-república soviética após matar acidentalmente o ministro da defesa do país! Ora, Shelton não pode fazer um trabalho complicado desses sozinho e decide, no melhor estilo Missão Impossível, recrutar uma equipe especial para ajudá-lo em um plano mirabolante para libertar o prisioneiro.

Página do primeiro álbum. Germânio de novo?

Todo o primeiro álbum mostra esse recrutamento, algo bastante raro no quadrinho franco-belga (que geralmente prefere uma narrativa mais corrida para compensar o relativamente baixo número de páginas), o que permite a Van Hamme desenvolver bastante os personagens. O que é justificável, já que no segundo álbum uma traição vai colocar a missão – e as vidas desses personagens – em risco.

Capa de Wayne Shelton 2
A arte, de Christian Denayer, antigo assistente de Jean Graton (Michel Vaillant) e Tibet (Ric Hochet), é de boa qualidade, na linha habitual dos desenhistas europeus de HQs realistas, mas sem nenhum destaque particular para além da esperada atenção aos detalhes. O ponto mais fraco são mesmo as capas, um pouco genéricas e nada representativas do conteúdo. O próprio Wayne Shelton mal aparece nas duas que estão aqui (é ele quem está no caminhão da primeira capa)! As cores têm a qualidade habitual das HQs franco-belgas.

Lápis e arte terminada do volume 2

A história segue o estilo não apenas de Missão Impossível mas da antiga HQ de espionagem Bruno Brazil (com quem compartilha o elenco de personagens exóticos e o destino trágico de vários deles). Porém o dedo do escritor é visível na trama bem elaborada e nos personagens cativantes. Vale mencionar a única mulher da equipe, com o nome “bondiano” de Honesty Goodness, uma sedutora ilusionista com forte personalidade, no estilo das heroínas de Van Hamme.

Honesty Goodness no lápis de Denayer

A única real falha da história é reaproveitar parte da trama do arco de XIII passado em San Miguel, com toda aquela história da empresa inescrupulosa explorando jazidas de germânio. Van Hamme não costuma reciclar ideias assim! É no mínimo curioso que ele não tenha pensado em outro minério raro e valioso que pudesse estar no lugar do agora malhado germânio…

Pensado originalmente como um one-shot em dois volumes (o que é bastante visível durante a leitura dos álbuns), Wayne Shelton mostrou fôlego o bastante para a Dargaud decidir expandi-lo para uma série regular. Sem interesse em continuar a série, Van Hamme passa os roteiros para Thierry Cailleteau (Aquablue) a partir do terceiro álbum. Não sei dizer como ficou a série sob o novo escritor, mas os dois primeiros álbuns são de qualidade e deveriam algum dia ganhar uma edição em língua portuguesa.

Autores, unidos, jamais serão vencidos! quarta-feira, abr 18 2007 

Uma curiosa novidade agitou a indústria de quadrinhos francesa nos últimos dias. Dia 16 de Fevereiro foi oficialmente fundado o Sindicato de Autores de Quadrinhos da França, ligado ao SNAC (Syndicat National des Auteurs et des Compositeurs, Sindicato Nacional dos Autores e Compositores, agremiação sindical francesa que junta autores e outros “trabalhadores criativos” em geral). O objetivo deste sindicato é, como esperado, defender a categoria (que inclui escritores, desenhistas e os frequentemente ignorados coloristas) nas relações com o patronato.

A ideia é bastante antiga, mesmo fora da França. Nos anos 70 nos EUA, Neal Adams defendeu durante bastante tempo a criação de um sindicato para os quadrinhistas de lá, sem sucesso. Na França, onde, ao contrário dos EUA, a norma é os autores serem donos dos personagens, a demanda por um sindicato não costumava ser muito alta. Já existia uma Associação de Autores de Quadrinhos, a ADABD (Association des Auteurs de Bande Dessinée), mas ela não fora criada com objetivos puramente sindicais.

Porém eventos recentes ajudaram a impulsionar a criação do sindicato, em particular o “caso Dupuis”, acontecimento ocorrido pouco após a venda da tradicional editora belga Dupuis para a poderosa holding Média-Participations, também dona das editoras Dargaud e Lombard, quando uma repentina e polêmica mudança administrativa colocou em risco alguns direitos dos autores, que na ocasião se juntaram para pressionar a editora.

Espetacular foto dos autores se manifestando às portas da Dupuis. Em primeiro plano, na cadeira de rodas, o recentemente falecido Yvan Delporte

Depois destes acontecimentos traumáticos, a ideia de um sindicato voltou à mente de vários autores, em particular o então presidente do Festival de Angoulême, Lewis Trondheim, que aproveitou sua posição privilegiada para ajudar a organizar os autores em torno da proposta do sindicato.

Agora ela finalmente foi posta em prática. O sindicato já está atuante e realizou sua primeira intervenção na editora Humanoïdes Associés, que, em crise há alguns meses, anda atrasando os pagamentos aos seus autores. A editora prometeu resolver a situação.

Aos curiosos, o sindicato cobra 79€ ao ano (dedutíveis nos impostos) de contribuição sindical aos seus membros. Ele afirma não ter uma postura “anti-editoras”, pregando apenas uma relação mais equitativa entre autores e editoras. Uma das plataformas do sindicato diz respeito aos direitos de adaptação audiovisuais das obras, que maior parte das editoras exige para elas em seus contratos atuais e que, como os recentes sucessos cinematográficos baseados em HQs provam, podem ser verdadeiras minas de ouro. Conheço pessoalmente casos de rompimento entre autores e editoras na Europa motivados pela ambição daquelas com respeito a esses direitos!

O comitê de direção do sindicato é composto pelos autores Virginie Augustin, Julien Blondel, David Chauvel (Arthur), Kris, Michaël Le Galli, Cyril Pedrosa e Jean Philippe Peyraud. Os membros fundadores são Alfred, Christophe Arleston (Lanfeust de Troy), Virginie Augustin, Alain Ayroles, Denis Bajram (Universal War One), Joseph Béhé (O Decálogo), David Chauvel, Frank Giroud (O Decálogo), Richard Guérineau, Valérie Mangin (O Flagelo de Deus), Cyril Pedrosa, Lewis Trondheim e Fabien Vehlmann. Vale notar que são todos autores relativamente jovens (se você tem menos de 40 anos na indústria de quadrinhos franco-belga você é jovem…), não havendo nenhum autor “tradicional” envolvido.

Reunião do sindicato

Reunião do sindicato

Livrarias, o futuro dos quadrinhos? segunda-feira, abr 16 2007 

Depois de alguns posts alegres e cheios de figurinhas, vamos enveredar agora pelo caminho mais sóbrio da teoria. Nos posts desta categoria, eu pretendo examinar a parte teórica dos quadrinhos tanto na vertente criativa (embora eu nunca tenha feito uma HQ na vida) quanto na comercial (embora eu nunca tenha vendido uma HQ na vida). Altamente qualificado como sou, eu não pretendo ter a última palavra sobre qualquer assunto, então estas mensagens são também convites ao debate.

Primeiro examinaremos uma tendência mundial: O desaparecimento das HQs das bancas. Ora, apesar de experimentos como os de Rodolphe Töpffer (para mim o verdadeiro pioneiro dos quadrinhos, mas isso é outro papo), que infelizmente não tiveram seguimento, as HQs somente se popularizaram quando começaram a aparecer nos jornais, em tiras diárias em P&B ou páginas dominicais coloridas (estas a base das indústrias de quadrinhos inglesa e franco-belga, mas isso também é outra história). A seguir surgiram as primeiras revistas dedicadas, a princípio republicando material dos jornais, mas logo, devido à relativa escassez deste, passando a publicar trabalhos exclusivos, que nas décadas de 30 a 50 espalharam-se pelas bancas de todo o mundo.

O formato dessas revistas, porém, não era constante em todos os países. Nos EUA os comics sugiram em um formato meio tablóide (ligeiramente reduzido com o tempo), a cores, com muitas páginas (eventualmente reduzidas de 84 para as magras vinte e poucas dos comics modernos) e periodicidade por norma mensal. Na Europa preferiu-se criar revistas nos moldes dos suplementos dominicais dos jornais (semanais, formato grande, ocasionalmente a cores, poucas páginas, mas com conteúdo mais trabalhado para compensar sua relativa escassez), embora a Itália eventualmente preferisse criar revistas com mais páginas, geralmente em P&B, e em formato menor, que são a maioria das publicações italianas de banca até hoje. No Japão, as HQs foram invadindo as revistas juvenis já existentes (ao menos uma delas, Shonen Magazine, foi criada nos anos 30 como revista juvenil para rapazes e é hoje uma revista em quadrinhos), que, para sobreviver no disputado mercado nipônico, foram aumentando sua periodicidade (de mensal para quinzenal ou mesmo semanal) e número de páginas (algumas ultrapassam as 900 páginas!), mantendo uma impressão em P&B (com ocasionais páginas a cores) e um formato razoavelmente grande para edições com esse volume de páginas, geralmente variando entre A4 e B5. Todas estas revistas eram antologias no princípio, até porque poucos desenhistas têm fôlego para desenhar o bastante por mês para fazer uma revista de mais de 22 páginas, mas com o tempo algumas passaram a se dedicar a um único personagem, em particular nos EUA.

Apesar dessas diferenças regionais, a constante era que as revistas eram consideradas descartáveis e impressas em papel de pouca qualidade. Por conta disso, poucos exemplares das revistas editadas nos anos 20 e 30 (época do lançamento das primeiras publicações do tipo) sobreviveram até hoje, menos de um século depois, e mesmo os melhor conservados estão em um estado lastimável se comparados a, por exemplo, livros de boa qualidade desse tempo conservados da mesma maneira.

A mensagem é clara: Esse tipo de publicação não é feito para durar! Mas com o tempo algumas das histórias publicadas nesses veículos fizeram sucesso a ponto de justificar edições mais permanentes, ou seja, livros de verdade, com papel de melhor qualidade e vendidos em livraria. Talvez devido às experiências de Töpffer quase um século antes, os europeus logo se tornaram entusiastas dessas edições, que alcançaram uma qualidade incomparável com as HQs vendidas no resto do mundo. Os japoneses preferiram edições menores e mais baratas (e mais similares a livros tradicionais), que se popularizaram a tal ponto que tornou-se habitual qualquer HQ publicada no Japão ganhar sua versão encadernada, fazendo com que as tradicionais antologias de banca japonesas fossem encaradas cada vez mais como material descartável, a ponto de serem literalmente jogadas fora pelos leitores logo após a leitura! Qualquer história que interessasse o leitor seria adquirida separadamente depois, em sua edição encadernada menor, mais cômoda, fácil de guardar (muito importante em um país em que qualquer imóvel minúsculo custa uma fortuna!) e livre das outras HQs menos interessantes para o leitor em questão.

Porém os mercados que mais influenciaram o brasileiro, o americano e o italiano, mantiveram-se durante muito tempo presos aos seus periódicos, seguindo uma evolução diferente. Mais sobre isso adiante.

Com o tempo, porém, surgiu uma constante: As vendas dos periódicos começaram a declinar! Devido a uma série de fatores, entre os quais o surgimento de outras formas de entretenimento periódico (a televisão sendo a mais destacada), os crescentes custos do papel que reduziram a diferença de preço entre o papel barato usado nos periódicos e outros tipos de papel mais sofisticados (o que levou os periódicos de quase todos os países a adotarem um papel de melhor qualidade – e mais caro! Exceto o Japão, que preferiu passar a publicar em papel reciclado absurdamente ordinário, mas adequado ao caráter totalmente descartável de suas publicações), a redução do espaço nas bancas provocada pela enorme quantidade de material vendido nesses espaços (que leva os jornaleiros, com razão, a preferir expor produtos mais caros que a típica HQ no espaço que têm disponível), além de vários outros fatores regionais que não vale a pena expor aqui.

No geral, a conclusão é clara: As bancas tornam-se cada vez mais um mercado hostil às típicas revistas em quadrinhos. O que fazer então?

Um outro mercado era necessário. Uma opção eram as lojas especializadas (que existem há muito tempo, a Lambiek holandesa abriu em 1968!), mas, apesar de alguns sucessos pontuais, em particular nos EUA, não costumam estar em quantidade suficiente para sustentar uma publicação. Isso não é exclusividade das HQs, afinal quantas livrarias especializadas em, digamos, livros de informática existem? Restam as livrarias generalistas, que têm a vantagem de já trabalhar com produtos similares e já serem uma rede pré-existente que não depende somente do público de quadrinhos para sobreviver.

Mas, perguntam vocês, o preço necessariamente mais elevado do material de livraria não encarece demais as HQs? Bem, encarece, é verdade, por isso as HQs vendidas em livraria precisam ser um material mais seleto do que o que se vê na banca. Watchmen? Beleza! Super-Homem ou Homem-Aranha deste mês? Nem pensar! Entendem o que eu quero dizer?

Isso não poderia acabar com os quadrinhos? Bem, não parece ter acabado com os livros! E os países que fizeram essa transição costumam ver um aumento nas vendas a longo prazo, enquanto as vendas de banca andam em uma queda constante e, aparentemente, inevitável no mundo inteiro.

Mas e a criançada? Não fica caro demais para eles? Bom, livros infantis custam o mesmo e esse é o gênero que mais vende em livrarias (podem verificar!). Nunca se esqueçam de que quem paga livros (ou quase tudo…) para as crianças são os pais, não as próprias! E, embora isso possa variar, meus pais preferiam me dar um álbum do Asterix ou Tintim ao invés de um gibi de super-heróis porque achavam que era um leitura melhor. Hoje eu vejo que tinham razão…

Mas isso significa que as HQs de banca vão acabar? Eu não diria isso por enquanto, mas temo que seja a tendência a longo prazo. Querem um exemplo? No final do século XIX, os livros (livros de literatura mesmo!) costumavam ser publicados no formato de folhetim, a um capítulo por edição com vários livros diferentes sendo serializados no mesmo jornal ou revista literária, antes de serem compilados em livros. Machado de Assis foi publicado assim originalmente. Idem para Charles Dickens e Alexandre Dumas. Pois bem, quantos livros ainda são publicados dessa maneira no mundo? Quantos desses folhetins ainda existem? Quase nenhum (isso porque admito que possa existir ainda algum, já que eu pessoalmente desconheço)! A literatura morreu por causa disso? Não, ficou até mais popular desde então!

O mundo parece caminhar nessa direção. Ano passado, pela primeira vez em sua história, as HQs americanas venderam mais em encadernação do que em revistas avulsas. A Itália é hoje o último país com uma grande indústria de quadrinhos em que as edições de bancas ainda vendem mais que as de livrarias – e mesmo lá as vendas de banca estão em queda livre! O mercado japonês também já favorece as livrarias desde 2005 e os editores de lá andam estudando opções alternativas à publicação em banca, tais como serialização no formato digital (ou seja, trocar as antologias por downloads via Internet) e até distribuição grátis de revistas (!).

Portanto, embora eu ainda seja um dos fósseis que acredita que o quadrinho de banca sempre existirá (mesmo na França, o mercado que mais se voltou para as livrarias, ainda é possível se encontrar uma boa gama de HQs nas bancas!), eu acho que é nas livrarias que está o futuro. E que qualquer um que pretenda publicar quadrinhos, em qualquer lugar do mundo, deve levar isso sempre em mente.

E vocês, o que acham?

Tipica seção de quadrinhos de uma livraria francesa. Será esse o futuro?

Típica seção de quadrinhos de uma livraria francesa. Será esse o futuro?

Adendo: Depois que eu escrevi meu texto original, obtive a informação de que também no Japão, o país onde os quadrinhos de banca (bem, todos os tipos de quadrinhos) vendem mais, as vendas de livraria ultrapassaram as de banca em 2005. Aliás, para ser exato as vendas de banca caíram abaixo das de livraria nesse ano, já que, como em todo o mundo, as vendas de HQs de banca no Japão estão em queda. O meu texto foi alterado para refletir ester novos dados!

Adendo 2: Agora eu obtive uma fonte mais concreta sobre a evolução de vendas de mangá, o informe anual sobre a indústria de publicações japonesa da JETRO, organização japonesa que monitora o comércio exterior do país. Siga o link para saber mais detalhes sobre as vendas de publicações no Japão em geral e de mangás em particular.

« Página anteriorPróxima Página »