Tonkaradani, a obra mais obscura de Osamu Tezuka sábado, dez 17 2011 

Soube com algum atraso da nobre iniciativa do Tezuka Day. Ora, como fã incondicional de Osamu Tezuka, eu nunca poderia deixar essa data passar em branco! E decidi reavivar o meu blog só para homenagear aquele que foi o maior autor de mangá (e quiçá de quadrinhos como um todo) de todos os tempos!

Mas sobre o que escrever? Como muitas das principais obras dele já estavam sendo comentadas por outros, era preciso que fosse um material bastante obscuro. Então eu fui atrás daquela que deve ser a obra mais obscura do autor: Tonkaradani Monogatari!

Castiga o pandeiro aí! Ziriguidum, telecoteco, balacobaco!

Capa da edição francesa de Tonkaradani, que referencia a adaptação de Mignon

Tonka o quê?

(mais…)

Editoras japonesas entram no mercado francês segunda-feira, abr 5 2010 

Não é de hoje que o mangá faz sucesso na França. De quinze anos para cá os quadrinhos de origem japonesa tiveram um crescimento exponencial no mercado gaulês, passando de meia dúzia de séries a cerca de 40% das HQs publicadas na França!

Não admira portanto que as editoras japonesas, enfrentando uma queda contínua de vendas no mercado doméstico, tenham decidido entrar diretamente no mercado de quadrinhos francês, o segundo maior do mundo a seguir ao nipônico.

A primeira a fazer isto é o Grupo Hitotsubashi, holding que controla as editoras  Shogakukan, Shueisha, Hakushensha e uma infinidade de outras editoras japonesas. Esse poderosíssimo grupo editorial já operava nos EUA (e, desde 2007, também na Europa) através da sua filial Viz Media, mas não publicava diretamente na França, onde seus mangás são licenciados por editoras como Glénat, Kana (divisão de mangás da francesa Dargaud), Pika (subsidiaria do gigantesco grupo editorial Hachette) e Tonkam (filial da Delcourt).

Isso mudou em Agosto do ano passado, quando a Viz Media adquiriu a distribuidora de animes gaulesa Kaze. De um só golpe a Viz ficou dona não apenas da maior distribuidora de animes da França (com filiais em outros países da região, em particular a Alemanha), como também levou “de brinde” a editora de mangás da Kaze, a pequena Asuka, até então destacada apenas por sua publicação das obras do mestre Osamu Tezuka e de material Yaoi. Embora a decisão de adquirir a Kaze pareça ter sido motivada mais pelo sua presença no mercado de animes,  o grupo resolveu não desperdiçar esta oportunidade de atuar também no próspero mercado de mangás francês!

(mais…)