Falecimento de Marcel Gotlib terça-feira, dez 6 2016 

Este domingo, dia 4 de Dezembro de 2016, foi um dia triste na França. Ele foi marcado pelo desaparecimento daquele que foi um dos maiores autores de quadrinhos de humor de todos os tempos, Marcel Gotlib.

Eu via as animações com a joaninha no Cartoon Network!

Marcel Gotlib e sua personagem mais famosa, a Joaninha.

A história de vida de Marcel Mordekhaï Gotlieb (seu nome verdadeiro) não sugere que ele um dia se tornaria um grande humorista. Nascido em Paris no dia 14 de Julho (data nacional francesa) de 1934, Gotlib era filho de imigrantes judeus húngaros, o que lhe valeu uma série de infortúnios durante a Segunda Guerra Mundial. Seu pai, que o jovem Gotlib idolatrava, foi preso e deportado em 1942, morrendo no campo do concentração de Buchenwald em 1945. Por ser uma criança judia, Gotlib foi obrigado a usar uma estrela amarela nas roupas e escapou por muito pouco de ter o mesmo destino do seu pai. Sua mãe enviou ele e sua irmã mais nova para uma família de acolhimento no interior da França, que os abrigou durante a maior parte da ocupação nazista. Todo esse sofrimento foi demasiado para a pobre senhora, que ficou com graves sequelas psicológicas. Ao reencontrar a mãe após a guerra, o pequeno Marcel ficou aturdido quando esta não o reconheceu!

(mais…)

Anúncios

A morte de Jean “Moebius” Giraud segunda-feira, mar 19 2012 

Escrevi este texto no último dia 10 para marcar o falecimento do grande Jean “Moebius” Giraud. Esta é uma versão revista e ampliada para o blog:

Poucas pessoas têm a honra de se tornar uma lenda em seu próprio tempo. Menos ainda podem ser consideradas os nomes mais importantes da sua área. Jean Giraud, o Moebius, falecido hoje cedo na França, era as duas coisas.

Nada mais justo que um desenho de Enki Bilal para homenagear Moebius...

Capa do jornal Libération em homenagem a Moebius. Arte de Enki Bilal.

(mais…)

Estamos de volta! quinta-feira, set 3 2009 

Estou vivo! VIVOOOOOO!!!!

Estou vivo! VIVOOOOOO!!!!

Quem é vivo sempre aparece!

Ainda não pude criar um novo blog, mas uma série de eventos abalou o mercado de quadrinhos mundial nos últimos dias e seria inconcebível que eu não os comentasse por aqui, portanto estou tirando a poeira do velho blog para tentar ajudar a mostrar as consequências desses eventos para o público.

Os eventos em questão foram:

A anunciada aquisição da Marvel Comics pela Walt Disney Company

A entrada das editoras japonesas Shueisha e Shogakukan no mercado europeu através da Viz Europe

A criação da Kodansha Comics nos EUA, colocando a terceira grande editora japonesa no mercado de quadrinhos americano

Todos são eventos significativos que provocarão enormes mudanças no mercado de quadrinhos mundial nos meses e anos que virão. Nos próximos dias eu dedicarei um artigo a cada uma delas explicando o mais detalhadamente possível como cada um desses eventos afetará o mercado de quadrinhos e quais as consequências para o mercado brasileiro.

É bom estar de volta, espero que meus leitores (sobrou algum?) pensem o mesmo.

O futuro deste blog (ou O blog não morreu, apenas hiberna) quinta-feira, mar 27 2008 

Muita gente tem me perguntado se eu não pretendo continuar este blog, acho que os devo um esclarecimento.

Eu comecei este blog porque queria (e quero) divulgar quadrinhos de origem européia para o público brasileiro, que infelizmente ainda tem um conhecimento muito restrito da enorme gama de material disponível no Velho Continente. Além disso, queria um lugar para colocar meus escritos sobre quadrinhos, que geralmente ficam esquecidos em fórums ou listas de mensagens, onde eu pudesse ter algum controle sobre meus textos e garantia de que eles não seriam apagados, de que eu pudesse efetuar correções e atualizações, etc.

Tudo muito belo, a questão é que desde então eu comecei a fazer alguns trabalhos escritos PAGOS, traduções e a desenvolver o meu livro sobre o Tintim (que ainda está beeeeeem no início, caso estejam se perguntando), atividades que reduziram meu tempo livre, já bastante escasso devido a meu emprego regular (que, infelizmente, não tem nada a ver com HQs), quase a zero. Nessa situação, eu poderia deixar de lado minha leitura de quadrinhos ou o trabalho não remunerado, ou seja, este blog. A escolha é óbvia.

Mas esse não é o fim! Eu ainda POSSO transformar minha atividade no blog em algo remunerado (ainda que pouco) utilizando anúncios! Ou poderia SE o WordPress me deixasse, o que não é o caso. Para colocar anúncios eu tenho de hospedar meu blog em outro provedor, o que não posso fazer no momento.

No momento? Sim, porque eu devo mudar de residência em pouco tempo (um mês ou coisa assim) e, no processo, mudar para um outro provedor de Internet, que VAI me fornecer um espaço onde posso colocar um blog com quantos anúncios eu bem entender! eu vou poder transformar isso em uma atividade (moderadamente) remunerada e justificar o tempo que eu gasto escrevendo estes artigos.

Claro que isso não é para agora. Mudar de casa não é uma coisa facil e eu ainda terei de conciliar isso com minhas outras atividades (relacionadas acima), o que deve adiar o lançamento da versão 2.0 do blog. Mas ela virá, acreditem em mim!

Afinal, vocês não vão se livrar de mim assim tão facilmente…

Mike Wieringo 1963-2007 segunda-feira, ago 13 2007 

Ontem, dia 12 de agosto, faleceu subitamente o desenhista Mike Wieringo, vítima de um ataque cardíaco fulminante. Ele tinha apenas 44 anos de idade.

Mike Wieringo fazendo o que gostava mais, desenhar!

Nascido em Veneza, Itália, mas um cidadão norte-americano, Wieringo, como a maior parte dos artistas de quadrinhos de seu país, ganhou fama trabalhando em quadrinhos de super-herói, começando com a série do Flash – onde foi o criador visual do personagem Impulso, que ironicamente foi “morto” nas páginas de sua revista poucas semanas atrás – e seguindo depois para personagens como o Super-Homem, o Homem-Aranha (no qual trabalhou em parceria com seu melhor amigo, o escritor Todd DeZago) e o Quarteto Fantástico. Aliás seu último trabalho é exatamente uma mini-série com um encontro entre o Quarteto e o Aranha, escrita pelo jovem e talentoso escritor Jeff Parker.

Capa da encadernação do último trabalho de Wieringo, cujo lançamento está previsto para outubro nos EUA

Capa da encadernação do último trabalho de Wieringo, cujo lançamento está previsto para outubro nos EUA

Dono de um estilo energético e caricatural, Wieringo trabalhava em uma indústria de quadrinhos completamente inadequada para seus talentos. Seu estilo não fora talhado para retratar os rompantes de violência e a atitude exageradamente séria dos quadrinhos de super-herói modernos. Embora os outros artistas e os leitores mais iluminados admirassem seu óbvio talento, boa parte dos fãs criticava sua “falta de realismo” e “excessos caricaturais” (obviamente, personagens que voam por aí usando a cueca por cima da calça precisam ser mostrados da forma mais realista possível…). Esse paradoxo fez com que os períodos de Wieringo em títulos de ponta de super-heróis fossem relativamente curtos e espaçados.

Espetacular GIF animada mostrando os vários uniformes do Homem-Aranha desenhados por Mike Wieringo!

Em um dos intervalos, ele e seu amigo DeZago decidiram escapar do círculo vicioso dos super-heróis e criar uma série de fantasia para a Image Comics, Tellos. E é sobre este trabalho, ainda inédito em português, que eu falarei.

Uma das capas de Wieringo para a série original de Tellos

Uma das capas de Wieringo para a série original de Tellos

Tellos era, na aparência, uma série de fantasia perfeitamente convencional. Passada no mundo ficcional de Tellos (um mundo de fantasia clássico, com criaturas estranhas, navios voadores e tecnologia medieval), mostrava as aventuras de um garoto e seus amigos, um híbrido de tigre e humano e uma capitã pirata, que encontram um amuleto contendo um poderoso gênio. Porém esse amuleto é cobiçado por vilões inescrupulosos, que vão atrás dos heróis para se apoderar do referido amuleto.

Quadrinho da edição francesa de Tellos. Ironicamente, essa HQ fez muito mais sucesso na França do que em seu país de origem!

Quadrinho da edição francesa de Tellos. Ironicamente, essa HQ fez muito mais sucesso na França do que em seu país de origem!

Dito assim, parece a mais estereotipada série de fantasia possível (não que existam muitas dessas – ou mesmo UMA que seja! – no mercado de quadrinhos americano…), mas uma reviravolta inesperada próximo do final da série original recoloca toda a história em uma perspectiva diferente. Não entrarei em detalhes, claro, mas a série revela-se bem mais interessante do que parece a princípio! Toda a série original desenhada por Wieringo foi recentemente compilada nos EUA em um grande volume em capa dura, que porém ainda não fora posto à venda antes da morte do artista. Fica meu conselho para aqueles que não conhecem esse trabalho o adquirirem quando estiver disponível.

Capa da encadernação gigante de Tellos

Infelizmente, a revista não teve muita sorte. Durante sua publicação, DeZago e Wieringo resolveram se juntar a um grupo de autores capitaneado por Kurt Busiek e Mark Waid, que tinham decidido criar seu próprio selo de quadrinhos (um pouco nos moldes da Image original e dos extintos selos Legend da Dark Horse e Bravura da Malibu Comics) , o Gorilla Comics, lançado com grande fanfarra em 2000. Porém, os autores esperavam um financiamento externo que nunca veio e seu pesado investimento inicial em publicidade teve de ser pago pelos próprios autores. Tellos, até entao uma HQ lucrativa, entrou no vermelho e os dois criadores precisaram fechar a série inicial e correr atrás de trabalhos na Marvel e DC para pagar o prejuízo! Eventualmente ela retornou, novamente pela Image, mas o envolvimento de Wieringo foi reduzido a ocasionais capas e histórias curtas. A série, porém, era uma favorita do artista, que nunca escondeu sua vontade de voltar a trabalhar nela. Foi exatamente um desenho de Tellos o último trabalho que ele colocou em seu blog, dois dias antes de sua morte.

O último desenho do blog de Wieringo, retratando o protagonista de Tellos.

Apesar de fulgurante, a carreira de Wieringo foi demasiado curta. Seu primeiro trabalho profissional data de 1991, fazendo dele um dos raros desenhistas de quadrinhos a iniciar sua carreira depois dos 25 anos. Apesar disso, existe um excelente livro em inglês a respeito do artista, que detalha toda sua carreira em uma longa entrevista, ricamente ilustrada com muitos dos seus melhores desenhos. É o 9º volume da série Modern Masters, da sensacional editora norte-americana TwoMorrows Publishing, minha recomendação pessoal para os apreciadores deste artista de carreira tão brilhante quanto fugaz.

Capa da edição dedicada a Mike Wieringo

Descanse em paz, Mike Wieringo.

Palestra com David B. quinta-feira, jun 7 2007 

Novamente a falta de tempo me fez negligenciar o blog por um período demasiado longo. Tentarei compensar nos próximos dias.

Todo esse tempo de ausência fez com que eu não comentasse uma palestra do artista David B. (pseudônimo de Pierre-François Beauchard) que eu assisti mês passado no Instituto Franco-Português de Lisboa. O autor fora convidado para o Festival Internacional de BD de Beja e o Instituto, sabiamente, aproveitou sua curta passagem por Lisboa para convidá-lo a dar lá uma palestra.

Foto do autor. Infelizmente eu não tirei fotos da palestra.

Foto do autor. Infelizmente eu não tirei fotos da palestra.

David B. foi, junto com outros seis autores, um dos fundadores da célebre editora francesa L’Association em 1990. A editora revolucionou o mercado francês, introduzindo uma série de formatos e temáticas antes impensáveis na então altamente conservadora indústria de quadrinhos franco-belga.

Dono de um estilo enganadoramente simples, mas capaz de desenhar páginas de composição arrojada e possuidor de um excelente domínio das técnicas do chiaroscuro, o autor virou uma lenda entre os autores de quadrinhos “alternativos” ao criar a série L’Ascension du Haut Mal (que está para ser publicada no Brasil com o título de “Epiléptico”, pela editora Conrad), publicada pela L’Association entre 1996 e 2003, que aborda a relação entre o autor e seu irmão, vítima de epilepsia, de uma forma inovadora, quase onírica. A série foi bastante premiada e traduzida em diversas línguas.

Exemplo das belas composições de página de David B.
De lá para cá, David B. participou de muitos outros projetos, sozinho ou em parceria com outros autores, como Christophe Blain(de Isaac o Pirata) e Joann Sfar(O Gato do Rabino). Em 2005 deixou a editora que ajudara a fundar e passou a publicar primordialmente pela nova encarnação da editora Futuropolis, onde ainda se encontra.

Apesar de ter ficado famoso por seus trabalhos autobiográficos, David B. já fez uma infinidade de quadrinhos sobre outros temas, em particular falando de seus sonhos surreais, uma grande influência em toda sua obra.

Na palestra, falada em francês, David B. falou sobre todos esses assuntos e diversos outros. Explicou as razões que o levaram a deixar a L’Association (essencialmente ele rompeu com o cacique da editora, Jean-Christophe Menu), falou sobre sua vida e seus projetos. Não vou escrever aqui tudo o que ele falou, mas devo dizer que foi uma palestra assaz interessante.

Vale também adicionar que, caso único entre todas as vezes em que eu assisti palestras de autores de quadrinhos estrangeiros, fosse em festivais ou em eventos pontuais como este, a livraria do Instituto teve o cuidado de trazer e colocar à venda todos os trabalhos do autor disponíveis na França! Uma medida aparentemente óbvia, mas que eu nunca vira antes posta em prática! Certamente valeu a pena, já que quase todos os que assistiram a palestra (pouco mais de uma dúzia de pessoas) saíram de lá com um ou mais álbuns recém-comprados nas mãos (eu inclusive). Ouso dizer que esse tipo de boa visão comercial é uma das razões da prosperidade do mercado francês…

Entre o material que adquiri estão as duas mais recentes obras do autor, publicadas pela Futuropolis, que eu comentarei a seguir:

Capa de Le jardin armé et autres histoires

Capa de Le jardin armé et autres histoires

Le jardin armé et autres histoires é uma coleção de três histórias (duas delas serializadas na antiga revista Lapin da L’Association), que abordam temas ligados à religião e os conflitos criados pelo fanatismo, mas dentro de uma ambientação fantástica e sobrenatural.

Na primeira história, Le prophète voilé (“O profeta velado”), um homem tem o rosto coberto por uma misteriosa faixa de tecido e transforma-se no profeta velado, um poderoso conquistador e líder religioso que eventualmente desperta a atenção do famoso califa Harun al-Rashid, que por sua vez precisa descobrir uma forma de destruir este oponente sobrenatural. A segunda história, Le jardin armé (“O jardim armado”), mostra um ferreiro da Praga medieval que crê ter visões que o levarão até o Jardim do Éden, rapidamente ele atrai um exército de fanáticos a seu redor e começa a espalhar o caos e a violência pela região. Por fim, na última história, Le tambor amoureux (“O tambor apaixonado”), o líder hussita Jan Zizka, que aparecera na história anterior, morre e seus seguidores criam com sua pele um tambor, cujo toque permite a seu exército vencer todas as batalhas, mas o tambor cai nas mãos de uma jovem, por quem o espírito de Zizka se apaixona.

Página de Le prophète voilé
As três histórias são excepcionalmente criativas e cativantes, ajudadas pela bela arte de David B., que retrata com perfeição a magia de seus personagens. Mais que uma história em quadrinhos, este álbum é uma entrada para um mundo onde violência, magia e religião andam de braços dados. E uma das melhores HQs que eu li nos últimos meses.

Capa do primeiro volume de Par les chemins noirs
Par les chemins noirs (“Por caminhos obscuros”) é o título da mais recente série de David B., cujo primeiro álbum, entitulado Les Prologues (“Os prólogos”) foi recentemente editado na França. Como o título diz, é uma série de “prólogos” da saga que o autor pretende contar, ambientada na então cidade iugoslava de Fiume (hoje Rijeka, na Croácia) em 1920, quando a cidade, de maioria italiana, foi ocupada militarmente pelo escritor e aventureiro italiano Gabriele d’Annunzio, que tentou criar lá um “estado livre”. O álbum mostra a vida de uma série de personagens exóticos (entre eles o próprio poeta), cujos caminhos se cruzam em meio ao caos criado pela ocupação do “brancaleonesco” exército de D’Annunzio.

Página de Par les chemins noirs
Necessariamente menos exótico e surreal que as outras obras mencionadas acima, o álbum chama a atenção pela eficiente caracterização dos personagens e o bom humor com que retrata a inusitada situação em que se encontram. Apesar das limitações em trabalhar com uma temática mais realista, a arte de David B. continua bastante eficiente, exibindo ocasionalmente (mas sempre em contexto!) as composições surrealistas que fizeram a fama do autor. Um início promissor para uma série ambiciosa como esta.

Para aqueles que ainda não conhecem o autor e não têm o privilégio de saber francês ou poder assistir uma palestra com ele, eu recomendo adquirirem a edição brasileira de “Epiléptico”, que está prestes a ser lançada pela Conrad.

José Aguiar no Centro de Cultura França-Alemanha de Niterói quarta-feira, maio 9 2007 

Andei muito ocupado esses últimos dias para poder atualizar o blog. Mea culpa, vou tentar compensar o melhor que puder. Primeiro divulgando um evento que está rolando na cidade de Niterói (RJ).

Bom amigo meu e artista de grande talento, o curitibano José Aguiar é um dos raros artistas brasileiros de quadrinhos trabalhando no exigente mercado europeu. Depois de ter feito diversos trabalhos para o mercado brasileiro (incluindo uma participação na “reformulação” do super-herói curitibano O Gralha), Aguiar, em parceria com o também brasileiro Wander Antunes, publicou pela editora suiça Paquet dois álbuns da série policial Ernie Adams.

Capas dos dois álbuns de Ernie Adams

A série não foi um grande sucesso (é complicado uma série de uma editora pequena se destacar em um mercado com mais de 3000 lançamentos de quadrinhos por ano…), mas foi o bastante para Aguiar, na altura morando na Alemanha, fazer uma pequena turnê de lançamento por França e Suiça.

Aguiar autografando seus trabalhos em uma loja de quadrinhos suiça

Durante a turnê, ele aproveitou para colocar no papel suas impressões do Velho Continente, prática bastante comum para os artistas europeus em viagem pelo mundo, que Aguiar “inverteu” fazendo ele próprio uma série de ilustrações da pitoresca Europa.

Aguiar junto à antiga residência de Rodolphe Töpffer, o “inventor” dos quadrinhos!

De volta ao Brasil, fez a exposição Reisetagebuch – Uma Viagem Ilustrada pela Alemanha, na qual exibiu suas ilustrações, e uma HQ autobiográfica publicada na revista Omelete, do website homônimo, do qual nós dois somos colaboradores de longa data.

Página da HQ de Aguiar no Omelete, mostrando as peripécias do casal Aguiar em Paris

(Incidentalmente, seu Aguiar, quase todos os parisienses sabem inglês, apenas se recusam a falar nessa língua! Mas eles falam em inglês se você tentar falar com eles em francês e não conseguir, por estranho que pareça. Esses franceses são loucos!)

O plano de Aguiar é fazer um livro misturando suas ilustrações, quadrinhos e textos falando sobre suas experiências na Europa, um tipo de trabalho muito difundido no Velho Continente, mas praticamente inexistente no Brasil, ao menos na vertente de quadrinhos.

A exposição Viajando em Quadrinhos pela França e Alemanha, que reune esses trabalhos com páginas produzidas para Ernie Adams, abre hoje no Centro de Cultura França Alemanha, em Niterói, com a presença do autor. O Centro de Cultura fica na Estrada Francisco da Cruz Nunes, 6266, Oásis Shopping Center, Piratininga, Niterói-RJ, e abre de segunda a sexta-feira, das 13h às 21 horas e sábados das 8h às 12 horas. Vão lá e digam que Hunter os mandou, que vão poder entrar sem pagar! Bem, na verdade vão poder entrar de graça até sem falar nada, porque a entrada é franca…

Dinâmica página de Ernie Adams, t�pica das que estarão na exposição

A exposição fica até o fim do mês. Se estiverem nas proximidades, visitem-na!

Página de teste de Aguiar com Dylan Dog. Não tem nada a ver com a exposição, mas eu não podia deixar de postar isso!

Enquanto ninguém se anima a publicar esse projeto no Brasil (e se você é um editor de quadrinhos, está lendo isso e ainda não entrou em contato com o Aguiar para publicá-lo, qual é o seu problema afinal?), Aguiar continua seu trabalho para a Paquet, desta vez colaborando na coletânea Flying Doctors, um álbum coletivo em homenagem à ONG AMREF, que presta ajuda médica a comunidades africanas isoladas utilizando aviões. O álbum será publicado na coleção Cockpit da editora, dedicada a histórias de aviação, e será escrito por Régis Hautière, com arte de 10 artistas de diversas nacionalidades, entre eles Aguiar. O título do álbum será Un jour de mai (“Um dia de maio”).

Página de Un jour de mai de autoria de Aguiar, que mostra sua habilidade como desenhista “técnico”

É uma pena que alguém como José Aguiar precise ir até a Europa para conseguir publicar seus trabalhos. Resta esperar que um dia o mercado brasileiro esteja sólido o suficiente para que talentos como ele possam publicar no próprio país!