Escrevi este texto no último dia 10 para marcar o falecimento do grande Jean “Moebius” Giraud. Esta é uma versão revista e ampliada para o blog:

Poucas pessoas têm a honra de se tornar uma lenda em seu próprio tempo. Menos ainda podem ser consideradas os nomes mais importantes da sua área. Jean Giraud, o Moebius, falecido hoje cedo na França, era as duas coisas.

Nada mais justo que um desenho de Enki Bilal para homenagear Moebius...

Capa do jornal Libération em homenagem a Moebius. Arte de Enki Bilal.

Nascido em 1938, o francês Giraud foi discípulo do grande Joseph “Jijé” Gillain, um dos maiores autores de quadrinhos belgas e também mentor de autores como André Franquin, Morris e Jean-Claude Mézières. Jijé era um mestre exigente, mas tinha seu aluno na mais alta conta, chegando mesmo a lhe confiar toda a arte final de uma de suas aventuras do caubói Jerry Spring, La route de Coronado (1961).

A primeira edição não tinha crédito para Giraud na capa, mas depois que ele ficou famoso...

Capa do álbum de La route de Coronado, com crédito para Giraud na capa!

Não foi o primeiro faroeste de Giraud (que criara a obscura série Frank et Jérémie aos 18 anos para a revista Far-West), nem seria o último. Em 1963, por recomendação de Jijé, ele começa a desenhar a famosa série Tenente Blueberry na revista Pilote, com argumento de Jean-Michel Charlier. Ela seria o seu maior êxito comercial e geraria diversas derivações.

Na versão colorida as cores destroem o traço do artista!

Cena de Blueberry. A ausência de cor permite apreciar o traço de Giraud!

O sucesso, porém, não tolheu a criatividade de Giraud, que começou a publicar material mais alternativo (geralmente de ficção científica) assinando como Moebius. A revista Pilote não era muito receptiva a esse material (embora, ao contrário do que se diz, ele tenha publicado lá algumas HQs como Moebius, como O homem é bom?) e ele começa a trabalhar mais para novas publicações, como a L’echo des savanes.

Quem disse que a Pilote não publicava os delírios de Moebius?

Página de O desvio, HQ publicada em 1973 na Pilote que marcou o início do seu trabalho na ficção científica, ainda assinando como Gir.

Em meados dos anos 70 ele deixa a Pilote de vez e em 1975 torna-se um dos fundadores de uma nova e revolucionária publicação, a Métal hurlant, que revolucionaria o quadrinho mundial. Logo na primeira edição ele introduziria Arzach, uma das suas obras mais experimentais. Ele a seguiria com outros trabalhos como Major fatal, A garagem hermética e The long tomorrow, que lhe dariam fama mundial. Logo ele se tornaria um dos autores de quadrinhos mais conhecidos e influentes do mundo.

Não é fácil achar essa imagem sem os logos da revista...

Imagem de capa da primeira edição da revista Métal Hurlant, um divisor de águas no quadrinho mundial!

Em 1975 também ocorreu outro momento fundamental para a carreira do autor: Ele foi chamado para fazer a arte conceitual da adaptação cinematográfica de Duna por Alejandro Jodorowsky. O projeto, como todos sabem, acabou não sendo realizado, mas abriu as portas de Hollywood para o artista, que trabalharia depois em filmes como Alien e Tron. Também iniciaria sua frutífera parceria com o genial Jodorowsky, com quem fez obras memoráveis como O Incal e Os olhos do gato.

Triste ver que a produção tinha já chegado a esse ponto quando puxaram a tomada...

Alejandro Jodorowsky e Moebius lado a lado com um guerreiro Sardaukar do filme abortado.

Nos anos 80, Moebius, por conta do seu trabalho em Hollywood e sua eterna fascinação com o Oeste americano e o México (onde morara durante um período da sua juventude), mudou-se para os EUA por uns tempos. Durante esse período ele fez algumas contribuições para os comics americanos, como a HQ Parábola do Surfista Prateado, em parceria com o lendário Stan Lee. Também datam desse período alguns spin-offs de A garagem hermética desenhados por artistas americanos como O príncipe de Aliors, fruto da sua parceria com Jean-Marc L’Officier.

Eu bem que gostaria de ver uma nova edição de Parábola com essa capa...

Versão posterior da Surfista Prateado de Moebius, utilizada como capa da mais recente edição francesa da obra.

Nos anos 90 a sua produção artística se reduziu um pouco, mas ele manteve uma grande atividade como roteirista, em series como Altor (com Marc Bati), Jim Cutlass (com Christian Rossi), Marshall Blueberry (com William Vance) e Little Nemo (com Bruno Marchand, inspirado na obra de Winsor McCay). Mais inusitada foi sua parceria com o japonês Jiro Taniguchi no mangá Ícaro, que fez de Moebius um dos raros autores a ter trabalhado nas três principais indústrias de quadrinhos do mundo!

Taniguchi é o mais francês dos mangakas japoneses...

Capa de Jiro Taniguchi para Ícaro, mangá escrito por Moebius para a revista japonesa Morning.

Na parte artística, ele continuou desenhando suas séries O mundo de Edena, La coeur couronné (com Jodorowsky) e o seu último ciclo de Blueberry, Mister Blueberry, no qual fez tanto o argumento quanto a arte.

Eu traduzi a edição brasileira desse álbum!

A bela capa do álbum Mister Blueberry.

Nos últimos tempos, Moebius se dedicava à série Inside Moebius, uma obra mais pessoal (e autopublicada) em que ele revelava seus sentimentos interiores e aspirações. Em um âmbito mais comercial, ele desenhou um álbum de XIII, no qual é revelada a verdadeira identidade do espião amnésico, e voltou a seus antigos personagens Major Grubert (no álbum Le chasseur déprime) e Arzak, que protagonizou seu último álbum, em estilo mais convencional do que as aventuras anteriores do personagem, pensado como a primeira parte de uma trilogia que, infelizmente, jamais veremos concluída.

A idade e a doença claramente não afetaram o talento do autor!

Espetacular cena de ação tirada do último álbum de Moebius!

Um dos raros autores de quadrinhos mais famoso do que os seus personagens, Moebius exerceu uma influência palpável sobre o quadrinho mundial. Admirado tanto pelo público quanto por seus pares, Moebius é uma referência nas HQs, um dos maiores, quiçá o maior artista de quadrinhos de todos os tempos. E sua obra certamente continuará a ser admirada e estudada enquanto as HQs existirem!

Todo mundo conhece essa página, mas eu não poderia deixar de postá-la!

John Difool, o protagonista d'O Incal, é lançado no poço da sua cidade vertical naquela que é talvez a página mais famosa desenhada por Moebius.

Anúncios